Atlético-MG pode ser punido por confusão no jogo contra Boca? Entenda

A partida entre Atlético e Boca válida pelas oitavas de final da Copa Libertadores foi além das quatro linhas. Alguns atletas e membros da comissão técnica argentina, revoltados com os gols anulados após consulta ao VAR, promoveram um verdadeiro quebra-quebra após a partida. Nove argentinos foram detidos pela polícia militar e só foram liberados após o pagamento de fiança.

A Diretoria do Boca encaminhou pedido à Conmebol para que o Atlético sofresse punição de eliminação ou de perda de mando de campo por má organização, eis que que a segurança não foi eficiente suficiente para conter os argentinos e a confusão generalizada.

Os participantes de competições sul-americanas submetem-se ao Código Disciplinar da Conmebol. O Atlético estaria sujeito a punições do art. 8, 2, segundo qual as Associações Membro e os clubes são responsáveis pela segurança e pela ordem tanto no interior como nas imediações do estádio, antes, durante e depois da partida da qual sejam anfitriões ou organizadores. Esta responsabilidade estende-se a todos os incidentes que de qualquer natureza possam ocorrer, encontrando-se por isso expostos à imposição das sanções disciplinares e do cumprimento das ordens e instruções que possam ser adotadas pelos órgãos judiciais.

No que tange ao Boca, percebe-se condutas violentas e agressões por parte de comissão técnica e jogadores do clube, o que está incurso no item 2.f do artigo 7 do Código Disciplinar da Conmebol. O art. 8 por seu turno estabelece que o clube é responsável pelas atitudes de seus membros, ainda que não seja culpado.

As condutas e omissões de ambos clubes tem sanções que podem ir de simples advertência até eliminação, dentre outras.

No caso em questão, apesar do Atlético ser responsável pelos incidentes, como a desordem partiu do clube adversário, não seria medida de justiça uma punição grave, mas uma advertência ou, no máximo uma pena de multa.

Já o Boca, deve ser severamente punido de forma a desestimular atitudes como as perpetradas por seus membros. Como o clube já foi eliminado desta competição, a punição mais indicada seria a desqualificação ou exclusão das competições sul-americanas de 2022.

É imprescindível que haja tolerância zero para violência, especialmente aquela protagonizada por atletas e comissão técnica que possuem a obrigação moral de darem o exemplo.

Só assim, a violência será definitivamente extirpada dos estádios de futebol.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.