Balotelli no Flamengo. Vinda de gols ou de problemas?

Por que os problemas extracampo do italiano Mario Balotelli têm dividido opiniões sobre possível vinda do craque para o Flamengo?

A notícia de que o craque italiano Mario Balotelli estaria em negociação com o Flamengo dominou as rodas de conversa e programas esportivos desta segunda-feira, e o discurso foi sempre o mesmo: com a vinda do craque, virão junto os seus problemas.

O camisa 9 da seleção italiana de futebol e atual centroavante da Olympique de Marseille, de apenas 28 anos, pode estar a caminho para completar o time dos sonhos que o Flamengo está montando. Só que o jogador é famoso não apenas por seus muitos gols, mas também por todas as confusões em que se envolveu dentro e fora dos clubes por onde passou.

Mas o histórico de problemas extracampo de Balotelli devem ser fator determinante para o Flamengo não contratá-lo?

Livre para ser negociado e podendo chegar ao clube rubro-negro sem a necessidade de pagar a multa rescisória, pode ser uma ótima oportunidade de o clube carioca trazer mais um craque europeu para brilhar nos campos do Brasil. Ele é um jogador que certamente trará muitos benefícios ao clube com venda camisas, trazendo o público ao estádios e, sem dúvidas, fazendo muitos gols.

Mecanismos internos podem proteger a instituição e criar barreiras para que, em eventuais complicações com o italiano, nem o grupo nem o clube sejam prejudicados. Ferramentas que orientam e punem a falta de disciplina.

A legislação dos atletas profissionais, Lei Pelé (Lei 9.615/98), prevê, no §4º do artigo 28, que a legislação trabalhista poderá preencher a lacuna da lei específica, ressalvadas as peculiaridades previstas na legislação dos esportistas. Ou seja, havendo lacuna na lei especial, a CLT (Consolidação das Lei do Trabalho) será aplicada.

Esse é o caso em tela.

O artigo 444 da CLT permite que o empregador estabeleça livremente com o empregado as cláusulas do contrato de trabalho e as regras a serem seguidas, desde que não estejam em desacordo com as disposições de proteção do trabalho, os contratos coletivos e as decisões das autoridades judiciárias competentes.

Portanto, os clubes podem exercer seu poder diretivo, criar códigos internos que visem boas práticas e disciplinar as relações das pessoas com a empresa.

O Flamengo, mesmo sem ter se tornado clube-empresa, profissionalizou e muito a gestão do clube, e sem dúvidas serão ajustados acordos que visem questões disciplinares e de bons comportamentos para trazer e viabilizar a chegada do camisa 9.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.