Brasil de volta ao grid

A tradição de pilotos brasileiros na Fórmula 1 iniciou-se em 1951 com o paulista Chico Landi. De la para cá o país teve mais 3 dezenas de pilotos, centenas de vitórias e 8 títulos mundiais.

Emerson Fittipaldi foi bicampeão em 1972 e 1974, Nelson Piquet, tri em 1981, 1983 e 1987 e Ayrton Senna, último brasileiro a conquistar a categoria, também foi tri nos anos de 1988, 1990 e 1991.

Em 1994, Senna perdeu a vida em um trágico acidente no GP Ímola e Rubens Barrichello passou a ser o principal brasileiro na categoria.

Rubinho, como era conhecido, é um dos esportistas brasileiros mais injustiçados da história. Barrichello foi contemporâneo do extraordinário heptacampeão Schumacher, é o brasileiro com o maior número de participações na Fórmula 1 e conquistou dois vice campeonatos mundiais (2002 e 2004), além de ter sido o terceiro melhor do mundo nos anos de 2001 e 2009. Não conquistou títulos, mas tem seu lugar na história.

No período pós Fitti/Piquet/Senna, outro piloto brasileiro que merece destaque é Felipe Massa.

Entre 1970, quando Emerson Fittipaldi estreou na Fórmula 1, e 2007 nunca houve uma temporada sem um piloto brasileiro. Massa foi terceiro lugar em 2006 e vice-campeão em 2008, oportunidade que perdeu o título na última volta da temporada. Com a saída de Felipe em 2017, o Brasil ficou sem brasileiros na categoria.

Assim, desde 2017, há uma imensa expectativa para ver brasileiros no grid da Fórmula 1. As principais esperanças da volta à categoria pairavam sobre o piloto mineiro Sérgio Sette Câmara, piloto de testes da Red Bull. No entanto, Sette Câmara fechou contrato para disputar a Fórmula E.

Outros pilotos que trazem boas expectativas para estarem na Fórmula 1  são Enzo Fittipaldi e Gianluca Petecof, que fazem parte da Academia Ferrari,  Caio Collet, da academia Renaut, Dudu Barrichello, que tem tido grande destaque nas categorias de acesso à Indy, Pedro Piquet, piloto da Fórmula 2, Igor Fraga, da Academia Red Bull. Dentre eles havia também expectativas sobre Pietro Fittipaldi, neto do Emerson e piloto de testes da Haas.

Havia, porque, após o terrível acidente de Grosjean, Pietro será o piloto da Haas no penúltimo Grande Prêmio da temporada disputado no Bahrein. A dinastia Fittipaldi torna-se a primeira a ter 4 gerações na categoria (Wilson, Emerson, Cristian e Pietro).

Momento de muita alegria e expectativa para os brasileiros amantes de Fórmula 1, pois a espera acabou e teremos bandeira brasileira no grid.

O fato da Haas disputar o posto de pior equipe da temporada e de já ter definido seus pilotos para 2021 não são motivos para desânimo.

O momento para um brasileiro “dar as caras”, após 3 anos, não podia ser melhor. O país, que corresponde a 25% da audiência mundial da Fórmula 1, está na iminência de não ter transmissão para 2021, eis que a Globo informou que não renovará o contrato. Além disso, é preciso fincar bandeira e demarcar território. Um país com a tradição do Brasil não poderia ficar tanto tempo de fora.

Todo esse movimento pode auxiliar a Globo a repensar a não exibição da temporada 2021, atrairá holofotes para pilotos brasileiros e reacenderá a chama adormecida no coração dos brasileiros.

Quem sabe Pietro não “tira um coelho da cartola”, faz uma boa corrida, chega na frente do companheiro de equipe e ainda marca um pontinho?

Seria estupendo!!!!

Neste domingo, todo brasileiro amante da Fórmula 1 precisa engrossar a audiência da corrida, inundas as redes sociais de hashtags para mostrar para patrocinadores emissoras e todo o circo da Fórmula 1 que a categoria não sobrevive sem o Brazil.

#AvantePietro #BrasilnaF1

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.