Caso Robinho e a Justiça Desportiva

A repercussão do caso Robinho foi avassaladora nesta semana, especialmente depois da divulgação de trechos de conversas entre o atleta e amigos, constantes do processo em tramitação na Itália. Muito se debate sobre a culpa ou não do atleta, sobre o teor lamentável dos diálogos, sobre a forma como o Santos lidou com a situação e, acima de tudo, sobre a abominação do suposto crime. Esta coluna também debaterá o tema, mas sob o prisma foco deste espaço: a justiça desportiva.

É que 13 coletivos de torcedoras enviaram ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (“STJD”) uma notícia de infração disciplinar, requerendo o oferecimento de denúncia e a consequente anulação do registro do atleta. De forma sagaz, as torcedoras não fundamentaram a notícia de infração no suposto crime do atleta, mas na irregularidade do registro realizado no dia 12 de outubro, feriado nacional. O ato fere o regulamento nacional de registro e transferência de atletas de futebol, que prevê que “a publicação no BID dar-se-á em horário de expediente da CBF”.

E por que a estratégia das torcedoras foi sagaz? Porque se o fundamento da notícia de infração fosse o suposto crime cometido e as consequências sociais de uma entidade de prática de desporto ser integrada por um condenado por estupro (ainda que ainda caiba recurso da decisão), seria possível argumentar que não cabe à justiça desportiva julgar o caso. Digo “poderia” já que também cabe o contra-argumento de que a presença do atleta na competição, dadas as circunstâncias, poderia prejudica-la, seja pela retirada de patrocínios, pela repulsa de parte das torcidas, ou até mesmo de outros atletas. Mas, de qualquer forma, a competência da justiça desportiva (fosse este o argumento da notícia de infração) seria questionável.

Mas quando as torcedoras fundamentam a notícia de infração numa suposta infração ao regulamento, permitiria que a Procuradoria, se assim desejasse, apresentasse uma denúncia com base no artigo 191, III do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (“CBJD”) que pune quem deixa de cumprir o regulamento da competição.

Entretanto, ainda que tenha sido uma estratégia interessante, é provável que o tribunal não receba a notícia de infração apresentada pelas torcedoras. É que a despeito de o artigo 74 do CBJD prever que “qualquer pessoa natural ou jurídica poderá apresentar por escrito notícia de infração disciplinar desportiva à Procuradoria, desde que haja legítimo interesse, acompanhada da prova de legitimidade”, o torcedor não pode apresentar o documento.

Trata-se de entendimento firmado no STJD; o tribunal entende que o torcedor não tem legitimidade para apresentar uma notícia de infração. O entendimento se concretiza sob o argumento de que o Estatuto do Torcedor oferece ao torcedor meios próprios de manifestação por meio da Ouvidoria. O artigo 6º do Estatuto do Torcedor prevê que deve haver, em toda competição, o ouvidor que forneça “os meios de comunicação necessários ao amplo acesso dos torcedores”. Desta forma, portanto, o torcedor se manifestaria por meio da ouvidoria e esta, se assim entendesse, teria a legitimidade para formular uma notícia de infração a ser apresentada ao Tribunal. A procuradoria analisaria a notícia de infração e, se entendesse pertinente, ofereceria a denúncia e iniciaria o processo desportivo.

Como eu mencionei na coluna na qual abordo o papel do torcedor na justiça desportiva (aqui), não parece ser um acesso simples do ponto de vista do torcedor.

O caso do suposto registro irregular do atleta ilustra a necessidade de criar meios eficazes de acesso do torcedor à justiça desportiva. Ora, caso a procuradoria não oferecesse a denúncia ou se quaisquer dos legitimados deixasse de provocar o tribunal sobre isso, a questão passaria despercebida (claro, caso a ação não tivesse perdido o objeto, como ocorreu posteriormente).

Obviamente, o acesso individual do torcedor aos tribunais desportivos poderia inviabilizar a justiça desportiva. Mas meios estruturados poderiam ser desenvolvidos, de forma que um grupo de torcedores, munidos de um mínimo de assinaturas e da clara demonstração do legítimo interesse, pudesse apresentar a notícia de infração ao tribunal desportivo. Ainda, o acesso do torcedor poderia ser efetivado por meio de aperfeiçoamento da ferramenta que já existe: a ouvidoria. A ouvidoria poderia receber as notícias de infração dos torcedores e, se entender pertinentes, encaminhá-las ao tribunal, funcionando como uma espécie de filtro.

O torcedor é parte importante da competição, bem jurídico tutelado pela justiça desportiva. As decisões dos tribunais desportivos afetam os torcedores; é justo que sua participação não seja somente passiva.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.