Ciberatletas processam clube por condições de moradia e trabalho

À medida que o tempo passa, os atletas de esporte eletrônicos têm se tornado mais conscientes de seus direitos e tido menos medo de ter represálias ao reivindicá-los.

O número de ações judiciais iniciadas por atletas contra clubes de esportes eletrônicos cresceu muito em 2019 e 2020, e nessa semana foram quatro de uma vez.

Expectativas Frustradas

Após comprar uma vaga no Circuito Desafiante, espécie de segunda divisão do CBLOL – Campeonato Brasileiro de League of Legends, o clube Intergalaxy Tigers Gaming, com sede em Curitiba, precisou oferecer moradia na capital paranaense para os atletas contratados para representá-lo na competição.

Ocorre que, conforme descrito na petição inicial das reclamações trabalhistas, ao chegar no local onde morariam se depararam com a garagem na casa da mãe de um dos diretores do clube adaptada como dormitório.

Alegam que não havia móveis suficientes para guardar seus pertences, que ficavam no chão; que passavam frio e calor excessivo no local; que no local eram eventualmente encontradas baratas; e que havia falta de abastecimento de água e alimentos.

A moradia não se tratava de gaming house, uma vez que os treinos aconteciam em um escritório.

Após reclamações, os atletas passaram a dormir em um quarto dentro da residência, mas passavam o dia na “garagem”.

Nomes sujos

De acordo com os atletas, após diversas reclamações, o clube concordou em alugar um apartamento para que os atletas tivessem melhor qualidade de moradia, mas tinha um porém: o contrato deveria ser feito em nome dos próprios jogadores.

Após vencer apenas um jogo na temporada e terminar o Circuito Desafiante em último lugar, a Intergalaxy Tigers dispensou os jogadores e encerrou suas operações.

Os jogadores foram surpreendidos com a negativação de seus nomes em serviços de proteção ao crédito, pois o clube não pagou valores referentes ao contrato do aluguel do apartamento.

Os atletas pedem no processo, além os encargos trabalhistas devidos, danos morais e o pagamento da dívida que negativou os seus nomes.

A defesa do clube

Apesar de ainda não ter apresentado contestação em nenhuma das reclamações trabalhistas, o clube se defendeu em nota ao Start (https://www.uol.com.br/start/ultimas-noticias/2020/09/18/pro-players-da-intergalaxy-tigers-que-moraram-em-garagem-processam-equipe.htm).

A equipe disse que todos os valores devidos e a dívida referente ao aluguel serão pagos, bem como se defendeu das alegações de que os ambientes destinados à moradia dos jogadores eram insalubres.

Não é o primeiro caso; e o Ministério Público do Trabalho já conduz investigações

Em maio aqui no eSport Legal, foi discutido o caso do atleta Brutt que, de acordo com a mãe, morreu por conta das péssimas condições de moradia e trabalho oferecidas pelo clube em que jogava (https://leiemcampo.com.br/ministerio-publico-do-trabalho-mira-clubes-de-esporte-eletronico/).

A investigação do Ministério Público do Trabalho iniciada por conta daquele caso continua em curso e naquela oportunidade este autor externou a esperança de que os clubes não repetissem diante da preocupação com a investigação.

Não é cabível fazer o juízo de valor antes do julgamento do processo, afinal é por isso que ele foi proposto: para que o juiz do trabalho apure o que de fato aconteceu.

Mas a esperança já não é a mesma.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.