Clube à venda

Apesar das várias restrições trazidas pela Covid-19, há quem diga que “o momento de ser corajoso é quando os mercados estão voláteis”. É assim que parece estar pensando o grupo de investidores que, aparentemente, pretende comprar o Newcastle United Football Club.

Atualmente na Premier League, a primeira divisão do futebol inglês, Newcastle foi comprado pelo bilionário Mike Ashley em 2007 por 134 milhões de libras esterlinas. Desde então o clube parece muito distante dos seus tempos de glória, quando disputava títulos da Premier League e constantemente era protagonista da Champions League (ou sua antecessora) nos anos 90 e começo do século XXI.

Mas quem poderia adquirir o clube pela bagatela de 300 milhões de libras? Principalmente durante esse período tão incerto? É claro, um fundo do Oriente Médio.

Segundo reportagem da BBC, um grupo de investidores financiados pelo fundo de investimento público da Arábia Saudita, está cada vez mais próximo de chegar a um acordo para a compra do Newcastle United.

Toda vez que escutamos histórias assim, lembramos dos sucessos recentes de clubes como Manchester City e (de certa forma) PSG, ambos financiados por fundos semelhantes. Também lembramos das normas de fair play financeiro trazidas pela UEFA e, é claro, as recentes sanções derivadas dessa correlação. Vejam o caso do Manchester City na nossa coluna de 20 de fevereiro de 2020.

Enquanto os torcedores do Newcastle comemoram o prospecto da transação (muitos mais pela saída do controverso dono do clube), críticos consideram a transação como mais um exemplo de utilização do esporte como plataforma de controle de imagem internacional de países com má-reputação por violações de direitos humanos. O chamado “whitewash” (camuflar fatos ou histórico incriminador) é potencialmente uma das estratégias mais utilizadas no mundo corporativo do esporte atualmente.

Dentro de campo, as críticas também não ficam longe disso. Arsene Wenger, ex-manager do Arsenal, já dizia que a injeção de capital por esses fundos no mundo do futebol é “doping financeiro”.

De qualquer forma, as regras atuais da UEFA e da English Football League (EFL, formada em 1888 e tida como a primeira liga de futebol do mundo), já têm mecanismos para monitorar e barrar qualquer tipo de motivo obscuro por trás de intenções de compra de clubes de futebol. A UEFA, por meio das regras de financial fair play. A EFL, por meio do Owners’ & Directors’ Test (ODT): todos os gestores de clube (donos e diretores) têm de passar no ODT. Esse “teste” foi iniciado pela FA em 2004 para combater corrupção e melhorar a transparência sobre a real propriedade dos clubes, bem como para proteger a reputação e imagem do esporte. O ODT se aplica a todos os clubes da Premier League e, pelo menos, às duas divisões inferiores.

Nossa opinião é de que basta a aplicação apropriada dessas regras para que o esporte não seja utilizado como plataforma para qualquer outro propósito a não ser o que é de sua natureza: a promoção pacífica de entretenimento. É claro, com muita, mas muita paixão envolvida.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.