Como a Justiça pode garantir que a base chegue forte?

O sonho de ser um jogador profissional ainda povoa a cabeça de meninos e meninas, principalmente no país do futebol. Virar ídolo, conquistar títulos, dinheiro, viajar o mundo… Muitos enxergam aí a chance de mudar de vida, e deixam suas casas e famílias cada vez mais cedo em busca de oportunidades.

A legislação, no entanto, prevê que um atleta só pode assinar o primeiro contrato profissional a partir dos 16 anos, mesmo ainda sem competir nas categorias principais. Antes disso, é preciso estabelecer um contrato de formação e garantir condições mínimas às crianças e adolescentes.

Fornecimento de materiais esportivos e locais de treinamento, acesso à saúde e educação, com fiscalização de frequência nas aulas, além de moradia adequada, garantia de integridade física e convívio com a família são alguns dos ítens do hall de requisitos para o clube formador. Não cumprí-los significa ultrapassar a linha tênue entre formação e exploração.

“O tema é complexo e carece tanto de uma melhor regulamentação quanto de uma melhor fiscalização do que já foi regulado”, pontua Danielle Maiolini, advogada especialista em direito esportivo que participa do primeiro painel do Brasil Futebol Expo (BFExpo), maior evento sobre futebol da América Latina para educação, negócios, entretenimento e inovação, realizado pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

Em pauta, a segurança jurídica na formação de atletas e o respeito aos limites legais que diferenciam preparação de trabalho efetivamente. O evento vai contar ainda com a participação do juiz Ricardo Miguel, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-RJ), que defende que “o esporte precisa ser amigo da legislação. Mesmo que alguns quesitos sejam difíceis de implementar, e mesmo que a fiscalização seja precária, é necessário cumprir as regras”.

Quando isso não acontece, surgem as dúvidas de quanto o clube tenta fazer com que o jovem seja um atleta no futuro. É claro que existem muitas realidades num país tão grande como o Brasil e a regulamentação tende a não existir de uma forma linear.

“Temos muitas discrepâncias. Hoje a gente se socorre muito de normas de natureza administrativa editadas por cada federação, o que é muito positivo quando acontece. Quando a federação tem essa iniciativa de editar regulamentos que preenchem aquilo que a lei não traz, mas de certa forma cria um desequilíbrio porque nem todas as federações atuam desta forma e eventualmente eu vou ter critérios mais rígidos em determinados locais e menos em outros. Ou seja, podemos ter um número maior de clubes formadores numa determinada federação porque ela é pouco rigorosa ou não se preocupa ao conceder esse tipo de chancela”, destaca Danielle Maiolini.

Todo esse cenário gera instabilidade e decisões distintas. Até porque são baseadas em análises casuísticas. “Talvez com a Sociedade Anônima do Futebol (SAF) possa sugir uma padronização em razão do maior profissionalismo na gestão. Mas a uniformidade de decisões judiciais é difícil acontecer pela avaliação de contextos. Um outro caminho de padronização pode ser o fórum em que o tema formação de atletas será discutido”, reforça Ricardo Miguel.

A discussão sobre competência da Justiça do Trabalho estará em pauta, bem como as novas regras de restrição e autorizações da Fifa, relacionadas ao registro em clubes no exterior e as condições vividas por esses atletas em formação.

A BFExpo 2022

Com o objetivo de fortalecer e desenvolver ainda mais as estruturas do esporte mais popular do mundo, a Brasil Futebol Expo 2022 vai discutir o futebol além das quatro linhas, em um evento focado em educação, negócios, experiências e inovações.

O evento oferece mais de nove mil vagas para congressistas que terão a oportunidade de aprimorar conhecimentos com mais de 200 palestrantes em 300 horas de conteúdo. Serão cursos, palestras e mesas-redondas com profissionais do Brasil e do exterior, de diversas áreas que envolvem o ecossistema do futebol e que discutirão o presente e o futuro do esporte não apenas dentro do campo, mas também em áreas como Marketing, Comunicação, Direito, Medicina, Gestão Esportiva, entre outras mais.

Além da proposta educacional, a BFExpo 2022 também trará um mundo de experiências diferentes. Os fanáticos em e-sports, por exemplo, terão uma arena exclusiva onde acontecerão torneios entre os jogadores. O espaço de entretenimento também contará com futmesa e o simulador de VAR, sucesso da primeira edição do evento, onde o público poderá operar o árbitro de vídeo. Estão previstas ainda diversas outras interações entre as marcas parceiras.

Alguns dos nomes confirmados no BFExpo 2022 são: Luis Castro, técnico do Botafogo; Paulo Burillo, diretor de jogo da LaLiga; Marcelo Paz, presidente do Fortaleza; Rui Costa, diretor executivo do São Paulo; Cicero Souza, gerente de futebol do Palmeiras; Flavia Zanini, presidente da Sociedade Brasileira de Direito Desportivo; Paulo Sérgio Feuz, auditor do Pleno do STJD; Pedro Trengrouse, advogado especialista em direito desportivo; entre outros.

Todos os detalhes, como a grade de programação e convidados, serão divulgados pelo Instagram da Brasil Futebol Expo (@bfexpo). Os cursos e palestras poderão ser adquiridos através do site oficial do evento, conforme os lotes de vendas forem liberados.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.