Como escapar da punição: o que fez o Liverpool FC?

No dia 2 de outubro de 2019, a English Football League (EFL) divulgou a nota de imprensa em relação à punição aplicada ao Liverpool FC, por ter infringido o regulamento da Carabao Cup ao ter entrado em campo com um jogador irregular durante a partida contra o Milton Keynes Dons no dia 25 de setembro de 2019.

O Liverpool entrou em campo com o jogador Pedro Chirivella Burgos, jogador da agremiação, que na temporada passada estava emprestado para o clube espanhol Extremadura Union Deportiva. A punição do Liverpool foi uma multa de duzentas mil libras esterlinas (porém, o pagamento de cem mil libras esterlinas está suspenso até o final da temporada do ano que vem, a de 2020/2021, caso o Liverpool não infrinja outra regra até lá).

Essa punição gerou controvérsia na Inglaterra. Recentemente dois clubes tiveram punições muito mais severas por motivos semelhantes. Em 2016, o Bury Football Club também entrou em campo com jogador irregular e sua punição foi a perda de 3 pontos. Enquanto o Grays Athletic Football Club foi expulso da FA Cup na temporada atual.

Então por que o Liverpool (aparentemente) recebeu uma punição menos severa? A EFL não divulgou detalhes da decisão do seu comitê disciplinar no caso do Liverpool. Apenas divulgou a nota de imprensa do dia 2 de outubro, que nem sequer confirma a constituição do seu comitê disciplinar. Por meio da nota, a EFL informou que a punição por multa foi devido a fatores mitigantes e evidências comprovadas pelo Liverpool. Sem maiores detalhes, a EFL informou que o clube não havia obtido o international clearance do Chirivella uma vez que seu empréstimo terminou (já havíamos alertado sobre a importância do international clearance – sobre o tema assistam ao vídeo Lei em Campo #7), assim caracterizando a irregularidade. Quanto aos fatores mitigantes, a EFL informou que o Liverpool buscou assistência da FA no retorno do atleta à Inglaterra, por meio do international clearance, antes do início da temporada, e que o clube pode incluir o jogador na lista de escalação para jogos da Premier League Two (também sujeito ao regulamento da Premier League). Ademais, foi o próprio clube que reportou a situação irregular do seu jogador para a EFL e a Premier League, logo após o jogo contra o Milton Keynes Dons. Por esses motivos a EFL concluiu que a punição financeira seria mais apropriada nas circunstâncias.

Vamos além. Entendemos também ser diferença significativa entre os fatos dos três casos (Bury, Grays Athletic e Liverpool). A infração do Bury em 2016, resultou na decisão do comitê disciplinar da EFL que na época decidiu evocar a regra 44.2 do regulamento da EFL, que determina a possibilidade de dedução de 3 pontos ao clube infrator. No caso do Liverpool, provavelmente a mesma regra foi evocada, mas um peso maior foi dado ao mea culpa da agremiação. A regra 44.2 também prevê o poder discricionário do comitê disciplinar para aplicar qualquer outra punição. No caso do Liverpool, o comitê aparentemente entendeu ser mais apropriado a punição financeira. Em relação à infração do Grays Athletic, tendo em vista estarem em outra competição (FA Cup é uma competição da Football Association), sujeitos a outro regulamento e, portanto, outro comitê disciplinar decidiu por sua expulsão do torneio.

Sem a divulgação da decisão do comitê disciplinar da EFL não há como escrutinizarmos os motivos da punição atual. E assim, apesar de obscura a decisão do comitê, o que fica claro é que a punição do Liverpool saiu barato.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.