Contratação suspeita mostra que discurso da CBF ainda está longe da prática

Apenas uma semana se passou, mas o novo presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Rogério Caboclo, já está diante de uma controvérsia envolvendo a entidade.

No seu discurso de posse, prometeu transparência, ética e comprometimento com a verdade. Mas a antiga administração presidida por Marco Polo Del Nero (banido do futebol pela FIFA por envolvimento em corrupção) deixou de observar a regra do compliance sobre esse tipo de contratação.

A empresa Sport Promotion, vencedora de licitações organizadas pela CBF para exploração, por exemplo, das placas de publicidades no Brasileirão, está sob suspeita de irregularidade.

Essa investigação acendeu sinal de alerta: a CBF teve falha na due diligence do seu programa de compliance ou colocou o resultado da avaliação de risco em seu apetite de risco?

Due diligence, ou diligência prévia, é uma expressão utilizada para definir um processo de investigação/avaliação de riscos de toda oportunidade de negócio. O processo faz com que, de forma prévia, se conheça todo o histórico da empresa que se pretende contratar a fim de evitar riscos financeiros, legais, éticos e à reputação da empresa.

Se compliance significa estar em conformidade com legislações internas e externas para manter a integridade, a transparência e a ética, logo, realizar qualquer tipo de negócio com sociedade em conta de participação (SCP), em que se é permitido composição societária com sócios ocultos, fere a máxima do conceito.

A falta dessa observação pode ser perigosa, pois a Lei Anticorrupção prevê a responsabilidade objetiva, ou seja, a empresa pode ser responsabilizada em caso de corrupção independentemente da comprovação de culpa.

O papel principal da due diligence é dar mais segurança às relações, tornando o programa de conformidade realmente efetivo.

A avaliação de risco colhe as informações da empresa para utilizá-las de duas maneiras: a organização poderá evitar o risco e não se relacionar com a empresa estudada ou, diante de situações estratégicas, assumir os riscos de incertezas e seguir com o parceiro comercial. Isso é o apetite de risco.

Entretanto, apenas para lembrar, havendo sócios ocultos na Sport Promotion, não será possível verificar se a regra da CBF que proíbe conflito de interesse será cumprida.

Por conseguinte, o que quis a CBF?

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.