Contratos de Jogadores da Premier League – parte II

Conforme prometido na coluna da semana passada, tentaremos elucidar um pouco o mistério sobre os contratos de jogadores da Premier League.

Já sabemos que há anos os contratos entre jogadores e clubes da Premier League são padronizados, com poucas cláusulas passíveis de alteração (como é o caso da cláusula de remuneração do jogador). A grande maioria das cláusulas são imutáveis. Algumas controversas. Outras até bastante óbvias.

Como exemplo de cláusulas controversas temos aquela que obriga o atleta a exercer o melhor das suas habilidades e capacidade o tempo todo. Ora, como pode alguém ser obrigado a sempre desempenhar o melhor de seu talento? E como podemos avaliar se um jogador está desempenhando o melhor de suas habilidades e capacidade ou está fazendo corpo mole?

Essa é uma cláusula que muito provavelmente não seria passível de execução. O direito inglês, em geral, não permite/comporta a imposição de obrigação quando envolve a performance de serviço pessoal. Pode-se dizer que o Judiciário inglês não acolhe pedidos que ferem a livre e espontânea vontade de um indivíduo, por respeito a esse elemento inerente do talento humano.

Jurisprudências famosas da common law seguem esse princípio. O caso Lumley vs. Wagner, de 1852, retrata uma situação semelhante envolvendo uma cantora de ópera. A senhorita Wagner, ainda adolescente, foi contratada para cantar exclusivamente para um teatro famoso em Londres, duas vezes por semana, por um período de três meses. Porém, um teatro competidor ofereceu à senhorita Wagner um contrato muito mais vantajoso. Quando ela optou pelo segundo contrato, mais vantajoso, o primeiro teatro impetrou ação para (i) impedi-la de cantar para o competidor e (ii) obrigá-la a cantar para o primeiro teatro. Esse caso teve vários desdobramentos, mas o ponto principal é que o Judiciário inglês acolheu a parte negativa do pedido e indeferiu a positiva: decidiu que ela não poderia cantar para o competidor por causa da cláusula de exclusividade; porém, não pôde acolher o pedido para obrigá-la a cantar para o primeiro teatro, por que contrário ao princípio do livre-arbítrio. Do contrário, como poderiam avaliar se foi proposital ou não se a cantora tivesse más apresentações?

Já no caso Poussard vs. Spiers and Pond, de 1876, a situação foi outra. Mais uma vez envolvia uma cantora de ópera contratada para cantar e representar em um musical por um período de três meses, sujeito à peça continuar em cartaz. Apesar de participar de todos os ensaios, antes da noite de estreia da peça a cantora ficou doente. Sem saber se era uma enfermidade temporária, e por ser tão importante para os críticos a noite de estreia, os donos do teatro rescindiram o contrato com ela e contrataram outra cantora. Inconformada com a situação, a enferma iniciou uma ação para que o Judiciário obrigasse os donos do teatro a permitir que ela cantasse. Mais uma vez, o Judiciário inglês confirmou, entre outros pontos, a impossibilidade de obrigar a performance de serviço pessoal. A impossibilidade da requerente de cantar na estreia e (pelo menos) nas primeiras semanas da peça foi realmente determinante para permitir a rescisão contratual por parte dos donos do teatro.

Como podemos ver, apesar de tal cláusula fazer parte dos contratos dos jogadores da Premier League, é muito pouco provável que seja possível executá-la caso o jogador não desempenhe o melhor de suas capacidades e habilidade. E aí temos a controvérsia: por que então ter tal cláusula? Talvez porque lide com a boa-fé dos jogadores ao representar o clube. Ou, por viés comercial, porque indica o elemento imprevisível, único e essencial do futebol: o talento dos atletas!

Na semana que vem, abordaremos algumas cláusulas óbvias.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.