Despertando o pior de nós

Despertando o melhor de nós” é o slogan criado pelo grupo Globo para a cobertura dos jogos olímpicos de Tóquio. Tenho sérias dúvidas se essa é a melhor expressão para qualificar a competição em apreço.

Com a explosão da pandemia na cidade, a Prefeitura de Tóquio decretou estado de emergência, o qual deverá transcorrer pelo menos até 22 de agosto, ou seja, perdurará durante toda a competição e mais além...

Não por acaso, a população japonesa é majoritariamente contra os jogos. Despertando para a realidade, a Toyota decidiu retirar o seu patrocínio. Cientistas alertam para a geração de uma variante de efeitos e proporções impossíveis de imaginar. Afinal, teremos concentrados milhares de atletas de todos os cantos do globo, numa oportunidade única do vírus se modificar e se fortalecer...

Entretanto, contrariando a mínima lógica e o bom senso, resolveram realizar a competição a qualquer custo. A razão não é nada olímpica, mas eminentemente financeira.

Em caso de cancelamento, as perdas estimadas chegariam a 16 bilhões de dólares. Princípios constitucionais e tratados internacionais que exigem a proteção máxima da vida e da integridade física foram olimpicamente ignorados. O dinheiro, como sempre, falou mais alto. dissera o Papa Francisco que o dinheiro mata. E no caso concreto,literalmente.

É assim que vemos como são as pessoas. Só conhecemos verdadeiramente os homens nos momentos delicados, quando precisam fazer escolhas entre bens materiais e valores universais. Entre coisas e pessoas.

Mas não apenas o dinheiro é um perigo à vida, como também o silêncio. salientara o prêmio Nobel de Literatura de 1968, Yasunari Kawabata, que em japonês “nenhuma palavra diz mais que o silêncio”.

O silêncio de nossa mídia igualmente diz muito. Diversamente do estardalhaço que foi feito na Copa América, a imprensa brasileira ficou muda diante dos perigos muito maiores decorrentes da realização dos jogos olímpicos.

É possível que um dos fatores para tal condutaseja o fato de que isto esteja ocorrendo bem distante de nossas fronteiras e de que esse assunto não nos importa, bem ao estilo do adágio popular de que Pimenta nos olhos dos outros é refresco, o que poderia ser adaptado para Covid nos pulmões dos outros é ar fresco.

A vida do povo japonês não é menos importante do que a nossa e ainda que vejamos a situaçãoolhando apenas para o próprio umbigo, é burrice imaginar que o que pode vir a acontecer no Japão, não repercutirá no Brasil. O vírus, como tudo no mundo, também se globalizou.

A realidade nua e cria é esta, que poucos aceitam ou querem enxergar.

A de que os jogos olímpicos despertaram, em muitos, o que há de pior em nós:

O egoísmo e a indiferença.

Crédito imagem: Getty Images

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.