Esporte: um reduto do etnocentrismo

Etnocentrismo significa uma forma de enxergar outras culturas tomando por base aquela na qual está inserido o observador. O etnocentrista é aquele que julga a sua cultura como superior e a utiliza como referência para mensurar as demais.

Uma visão etnocêntrica de mundo veio à lume em episódio recente no esporte. É que a melhor dupla da Alemanha de vôlei de praia decidiu boicotar a etapa do Catar, pelo simples fato de que o país proíbe as mulheres de usar biquíni em praias ou locais públicos.

O Catar acabou cedendo e não irá impedir a utilização da vestimenta durante a etapa do Circuito Mundial de vôlei de praia. A questão que se apresenta é: pode-se  impor a um país que abra mão de seus costumes em prol de uma competição a ser realizada em seu território, por causa de padrões culturais estabelecidos pelos ocidentais?

 Antes que você pense em responder, lembre-se que discriminação e esporte são termos absolutamente incompatíveis: Veja-se, a propósito a Carta Olímpica do Comitê Olímpico Internacional, quando trata dos princípios fundamentais do olimpismo, diz que:

“6.Toda e qualquer forma de descriminação relativamente a um país ou a uma pessoa com base na raça, religião, política, sexo ou outra é incompatível com a pertença ao Movimento Olímpico.”

Será que os responsáveis pelo voleibol se esqueceram do que preconiza a Carta Olímpica?

O fato é que as federações esportivas do mundo ocidental precisam olhar para seus próprios atos e perceber que posturas como essa só contradizem o que apregoam lindamente em seus documentos e estatutos.

A visão etnocentrista do mundo ocidental em detrimento da comunidade árabe e demais culturas não vem de hoje. O curioso é que, com o passar do tempo, essa postura não é rechaçada com a mesma veemência do que é visto quando se está diante de manifestações racistas, homofóbicas ou sexistas.

Isto significa dizer que a consciência das pessoas de entender que a cultura que não se afine com a sua não constitui necessariamente algo inferior, ainda representa uma evolução civilizatória a ser conquistada.

No esporte, episódios como o que se viu na pressão exercida pela federação internacional de voleibol e pela dupla alemã, são corriqueiros e precisam ser repensados. É condenável a postura de uma nação de impedir o uso pelas mulheres de biquínis em locais públicos?  O Catar não teria igualmente todo o direito de considerar que o uso desse tipo de roupa nos países ocidentais atentam contra a moral e os bons costumes?

Não nos esqueçamos que o biquíni foi considerado por grande parte da sociedade ocidental em meados do século XX como algo atentatório ao pudor, onde as mulheres que desafiaram o pensamento majoritário existente à época foram duramente condenadas precisamente por povos que hoje reprovam o estilo de vida do Catar.

É hora de refletirmos e respeitarmos as crenças e formas de viver dos demais países, desde que tais práticas não violem os direitos humanos.

O mundo árabe não é melhor nem pior do que o mundo ocidental. É apenas diferente do nosso. Ainda bem. Imagine se nossas sociedades fossem todas iguais em tudo?

E você, concorda com o que foi dito ou também é um etnocentrista?

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.