Estatuto social e o estabelecimento de mecanismos de controle interno

Foi publicada ontem uma interessante matéria jornalística que aborda o estatuto social do Flamengo, cujo título diz: “Prejuízo com pandemia em 2020 ameaça autonomia de diretoria do Flamengo para assinatura de contratos”. A notícia diz respeito ao artigo 146, III do estatuto social do clube, que tem a seguinte redação:

“Art.146. Fica automaticamente suspensa a autonomia do Conselho Diretor para celebrar acordos e contratos, inclusive empréstimos e antecipação de receitas, mesmo nos limites aprovados no orçamento de caixa, se:

(…)

III – comprovado, por meio dos balancetes trimestrais, que no resultado acumulado do exercício corrente, o superávit é inferior, ou o déficit superior, em três por cento do faturamento previsto no orçamento aprovado;

Parágrafo único. A perda de autonomia de que trata o caput deste artigo implica a necessidade de prévia aprovação de todos os acordos, contratos, empréstimos e antecipações de receita pelo plenário do Conselho de Administração, enquanto perdurarem as irregularidades referidas nos incisos anteriores.”

Não pretendemos tratar do caso concreto a que se refere à reportagem. No entanto, tomamos essa notícia como ponto de partida para jogar luz à importância do estatuto social no sistema de governança de uma entidade esportiva e no estabelecimento de mecanismos de controle interno. Antes, porém, faz-se necessária uma ressalva: tratamos especificamente de estatuto social tendo em vista que a maioria absoluta das entidades esportivas no Brasil constitui-se sob a forma de associação.

Associações são pessoas jurídicas de direito privado, constituídas pela união de pessoas que se organizam para fins não econômicos. O Código Civil estabelece, em seu artigo 54, elementos que devem necessariamente constar do estatuto social de uma entidade dessa natureza, tais como denominação, fins, sede, requisitos para admissão, demissão e exclusão de associados, direitos e deveres dos associados, fontes de recursos para manutenção da entidade, condições para alteração das disposições estatutárias e para a dissolução da associação. Em acréscimo a tais pontos, o mesmo dispositivo legal prevê outros dois aspectos indispensáveis ao estatuto social, ambos de grande relevância: (i) o modo de constituição e de funcionamento dos órgãos deliberativos e (ii) a forma de gestão administrativa e de aprovação das respectivas contas.

Vê-se que, de plano, o estatuto social inevitavelmente descreve a estrutura básica de governança de uma associação. Afinal, é nele que se definem os órgãos deliberativos da entidade, bem como as competências atribuídas a cada um – por exemplo, no caso do Flamengo funcionam (dentre outros órgãos deliberativos) o Conselho Diretor e o Conselho de Administração, ambos mencionados no artigo 146. Ademais, é no próprio estatuto que se costumam definir as regras gerais relacionadas à quantidade de membros que compõem cada órgão, como se dá a reunião, o quórum necessário para deliberação, dentre outros aspectos essenciais ao seu regular funcionamento.

Noutro plano, observa-se que deve constar do estatuto não apenas a forma pela qual a entidade é gerida, mas também de que modo seus administradores prestam contas aos associados. Esse último ponto é extremamente importante, uma vez que a obrigação de prestar contas costuma compor um sistema de controle interno da associação – no sentido de que assegura aos associados o poder de julgar as contas dos administradores e garante que um nível mínimo de informações concernentes à gestão da entidade (sobretudo sob o prisma financeiro) lhes seja divulgado.

Especificamente na seara esportiva, cumpre destacar o artigo 18-A da Lei nº 9.615/98, que encampa preceitos como gestão democrática, participação de atletas e transparência e enumera, em seu inciso VII, diversos elementos que devem constar do estatuto social da entidade esportiva. A alínea “d” do referido dispositivo legal refere-se expressamente à necessidade de estabelecimento de mecanismos de controle interno no estatuto social. É de se ressaltar que a observância do artigo 18-A é condição para certificação da entidade pela Secretaria Especial do Esporte (o que, no caso das entidades de prática desportiva, ganha relevo principalmente diante da lei federal de incentivo ao esporte e dos recursos de loterias descentralizados pelo Comitê Brasileiro de Clubes).

O mecanismo inserido no artigo 146 do estatuto social do Flamengo configura interessante e sofisticada ferramenta de controle interno, aderente ao que pretende a legislação em vigor. Claramente, seu objetivo é impedir (ou ao menos desincentivar) a prática de comportamentos indesejados (como, por exemplo, aqueles que resultem em déficit superior ao limite ali estabelecido) por parte de seus administradores. Para tanto, utiliza-se de outro órgão deliberativo, também regularmente constituído conforme disposições estatutárias, como instrumento limitador da autonomia do Conselho Diretor nessas hipóteses específicas.

Enfim, ainda que seja vasta a gama de mecanismos de controle interno passíveis de adoção pelos clubes brasileiros (e a própria existência de Conselho Fiscal, dotado de independência e autonomia para examinar a conformidade dos atos de gestão, pode ser suficiente em muitos casos), o dispositivo estatutário em tela pode ser tomado como um bom exemplo a ser observado por outras entidades esportivas. No entanto, é sempre imperiosa a ressalva: mais importante do que colocar no papel é, na prática, conferir eficácia aos mecanismos estabelecidos no estatuto social.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.