Expectativas para o Direito Desportivo e o Desporto em 2022

Um novo ano se inicia e com ele a esperança de boas notícias, fé na vida, saúde e otimismo. No desporto muitas novidades são esperadas tendo em vista a grande quantidade de projetos de lei que estão em tramitação no Congresso Nacional e que serão votados ainda neste ano de 2022, com impactos no Direito Desportivo.

É importante lembrar que há 5 anos se espera a votação do Projeto de Lei do Senado n.º 68/2017, que institui a nova Lei Geral do Desporto[1] e que em 08/12/2021, teve sua votação adiada perante a Comissão de Constituição de Justiça em razão de pedido de vista coletivo, tendo em vista as mudanças legislativas que aconteceram durante este lustro no qual o PLS hibernou no Senado.

Logo no início do mês janeiro já houve duas novidades que podem significar um lampejo de esperança em relação aos projetos que foram debatidos e que podem ser transformados em lei o quanto antes.

Em 11/01/2022 foi aprovado pela Comissão do Esporte do Câmara dos Deputados o projeto de lei que prorroga até 2028 a isenção fiscal prevista na Lei de Incentivo ao Esporte (Lei n.º 11.438/2006). Trata-se do PL n.º 4780/2020, da Deputada Policial Katia Sastre (PL-SP), que inclui programas de fortalecimento de vínculos familiares e de promoção dos valores sociais da ética e da cidadania nos projetos beneficiados pela Lei de Incentivo ao Esporte.

Com a prorrogação dos prazos de isenção fiscal, os próximos dois ciclos olímpicos estão sob esta égide, a garantir o suporte necessário aos atletas de alto rendimento. A referida proposta tramita em caráter conclusivo e precisa ser analisada pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Na semana anterior, mais precisamente no dia 03/01/2022, a Comissão do Esporte do Câmara dos Deputados aprovou o PL n.º 8906/2017, do deputado Felipe Carreras (PSB-PE), que prevê o reajuste dos valores do programa Bolsa-Atleta e estabelece a liberação mensal dos recursos pelo Ministério da Cidadania (Secretaria de Esporte) diretamente na conta bancária do atleta. Na exposição de motivos do projeto de lei é mencionado que os valores do benefício estão sem reajuste há mais de seis anos, o que dificulta a sobrevivência dos atletas.

A aprovação do projeto foi defendida pela deputada Celina Leão (PP-DF) que lembrou importante fato ocorrido nos Jogos Olímpicos Rio 2016, quando 77% dos 465 atletas convocados para defender o Brasil eram bolsistas.

O Bolsa-Atleta está sedimentado em seis categorias de incentivo e os valores serão pagos levando-se em conta o desempenho obtido pelos atletas, com a previsão dos seguintes reajustes:

atleta de base – de R$ 370 para R$ 530;

atleta estudantil – de R$ 370 para R$ 530;

atleta nacional – de R$ 925 para R$ 1.300;

atleta internacional – de R$ 1.850 para R$ 2.600;

atleta olímpico ou paraolímpico – de R$ 3.100 para R$ 4.400;

atleta pódio – de R$ 15 mil para R$ 21 mil.

A fim de evitar que estes valores fiquem congelados por tanto tempo, a proposta estabelece ainda que os reajustes no Bolsa-Atleta ocorrerão anualmente e corresponderão à variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)[2].

A partir de agora a proposta será analisada, em caráter conclusivo, pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Temas importantes e polêmicos estão a ser tratados no PLS n.º 1.153/2019, que no dia 07/12/2021 recebeu o substitutivo do Relator, deputado Felipe Carreras (PSB-PE). O curioso é que o projeto em comento, de autoria do Senador Veneziano Vital do Rêgo, tinha como objetivo inicial o aprimoramento da proteção dos atletas de base, por meio de alteração da Lei Pelé, para ampliar o direito desses atletas.

Todavia, após realizadas audiências públicas e debates acerca da própria legislação desportiva, foram apresentadas dezenas de emendas e o PLS n.º 1.153/2019 passou a contemplar os seguintes temas: formação de atletas, educação física nas escolas, esporte e saúde, destinação de recursos públicos para o desenvolvimento do esporte nos Estados, bolsa atleta, aspectos trabalhistas do atleta profissional, desporto militar, Esports, racismo no esporte, Plano Nacional do Esporte e articulação da política desportiva, Justiça Desportiva, apostas esportivas, regulamentação da profissão de executivo de futebol, participação de atletas no colégio eleitoral das entidades de administração do desporto e por fim os aspectos tributários da legislação esportiva.

Logo, um projeto de lei destinado a aprimorar a formação desportiva passou a tratar de 15 temas essenciais ao desporto e ao direito desportivo, tratando-se, portanto, de uma verdadeira reforma da Lei Geral do Desporto.

Em momento oportuno cada tema será tratado com a profundidade que merece, sendo que no presente artigo a ideia é a de trazer ao leitor o conhecimento dos itens que estão sendo tratados, com comentários pontuais.

No tocante a formação desportiva, a Lei Pelé já prevê, dentre outros, que os clubes devem observar a manutenção de alojamento e de instalações desportivas adequados, principalmente no tocante a alimentação, higiene, segurança e salubridade.

O projeto de lei pretende ir além e estender essas obrigações a todos os clubes, na medida em que as exigências são restritas aos clubes que pretendem obter o certificado de formador, algo restrito a menos de 5% dos clubes existentes no Brasil.

A educação física nas escolas públicas e privadas deverá ser ministrada exclusivamente por um profissional, tendo em vista que estudos demonstram que atualmente apenas 68,8% dos professores nos anos iniciais do ensino fundamental é que detêm essa qualificação.

Não poderíamos deixar de comentar as novidades trazidas em relação aos aspectos laborais do atleta profissional. A nova previsão legal traz relevantes mudanças com a finalidade de aprimorar a legislação trabalhista desportiva.

De fato, as alterações introduzidas são relevantes e pertinentes.

Sempre criticamos a alteração da Lei Pelé que passou a limitar em 40% do salário do atleta o valor do direito de imagem, tendo em vista que são institutos independentes e que não se comunicam.

Além disso, estabelecer tal limite é o mesmo que regularizar a fraude, na medida em que este critério passa a ser o único norteador da validade da cessão do uso da imagem. Ou seja, significa dizer que se o contrato de cessão de imagem for inferior a 40% da remuneração total paga ao atleta, este será válido. A inconstitucionalidade do dispositivo é flagrante.

Com efeito, não há como vincular uma parcela de direito civil e indenizatória à remuneração do atleta, sob pena de se reconhecer que o referido contrato de cessão de imagem do atleta feito com o clube empregador é acessório e interligado ao contrato de trabalho, fato este que contraria, de forma frontal o próprio caput do art. 87-A da Lei no 9.615/98 e o art. 5º XXVIII da Constituição Federal.

Portanto, salutar a revogação desse artigo que sequer deveria ter algum dia existido.

A outra alteração proposta é diz respeito à cláusula compensatória desportiva, pois o clube terá a opção de negociar o pagamento parcelado da referida cláusula e o valor mínimo fica reduzido à metade do valor total de salários mensais que o atleta ou treinador faria jus até o término do contrato especial de trabalho desportivo.

Com efeito, todas as normas que tenham como finalidade o estímulo e o aprimoramento do desporto devem ser enaltecidas e abraçadas por toda a população. Neste período de pandemia, que já dura quase dois anos, foi visível a importância da prática desportiva, sendo esta compreendida desde a formação até o alto rendimento.

O estilo de vida imposto pela sociedade moderna tende a afastar o estímulo das práticas desportivas e o incentivo a elas merece toda a atenção e o aplauso. Seja com incrementos do programa bolsa atleta e da lei de incentivo, ou com a proteção do atleta em formação.

Aguardaremos, ansiosos, que os demais projetos de lei que visem o estímulo da prática desportiva e o seu aprimoramento também recebam um tratamento célere e que sejam sancionados ainda neste ano de 2022, que também poderá entrar para a história como o ano da conquista do hexacampeonato mundial de futebol pelo Brasil.

……….

[1] É importante esclarecer ao leitor que o PLS fala em Lei Geral do “Esporte”. Contudo, na medida em que a Constituição Federal trata de desporto, prefiro me manter fiel e obediente ao termo estabelecido pela Carta Magna.

[2] Fonte: Agência Câmara de Notícias. Disponível em: https://www.camara.leg.br/noticias/842688-comissao-aprova-reajuste-dos-valores-do-programa-bolsa-atleta/. Acesso realizado em 05/01/2022.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.