Fifa sofre mais uma ação por violação a direitos humanos em obras para Copa. Caso parecido deu vitória à entidade, mas provocou mudanças internas

O esporte não se separa da proteção de direitos humanos. Mesmo assim, ele insiste em tomar caminhos complicados. A escolha do Qatar como sede da Copa do Mundo segue apresentando problemas para a Fifa. A entidade já se livrou de um processo milionário de um empregado bengali que denunciou trabalho escravo no país, mas agora é um grupo de organizações não governamentais que está buscando uma indenização da entidade maior do futebol mundial.

Foi destaque no Lei em Campo a notícia de que o grupo – incluindo a Anistia Internacional, Human Rights Watch, Football Supporters Europe e a Federação Internacional de Trabalhadores – esta cobrando da Fifa um pagamento de cerca de US$ 440 milhões (R$ 2,1 bilhões) a trabalhadores imigrantes que tiveram seus direitos humanos violados durante as obras para a Copa do Mundo do Qatar, prevista para ser realizado em novembro deste ano.

O grupo enviou nesta semana uma carta para o presidente da Fifa, Gianni Infantino, dizendo que há evidências documentadas da falta de proteção a esses trabalhadores ao longo dos anos de preparativos para a competição e indicando que US$ 440 milhões seria o mínimo para um acordo extra-judicial.

Por mais que as denúncias sejam graves e de fácil comprovação, dificilmente a Fifa será responsabilizada por um problema de relação trabalhista no Qatar, que segue suas próprias leis.

Isso já foi discutido inclusive judicialmente quando um operário buscou a justiça em função das condições de trabalho no país asiático.

Ele foi mais uma das vítimas do regime trabalhista chamado de “Kafala”

O Kafala

Os trabalhadores de outros países que chegavam ao Qatar eram submetidos a um sistema trabalhista histórico chamado Kafala. Nele são estabelecidas relações entre cada trabalhador e seu “patrocinador”, normalmente o empregador.

De acordo com esse sistema, o empregado virava refém do empregador. Ele ficava sujeito à autorização do patrão para realizar diversas atividades, como alugar imóvel, sair do país, trocar de emprego. Além disso, o trabalhador tinha o passaporte retido por esse “patrocinador”, que se negava a fornecer vistos para saída do país. Se insistisse, o próprio empregador poderia pedir a prisão do empregado..

Nadim Alan foi um operário bengali que se rebelou contra as condições de trabalho no país e decidiu entrar com uma ação judicial contra a entidade que manda no futebol mundial, com o apoio de vários sindicatos. Ele pedia que a federação agisse contra as frequentes violações de direitos humanos, garantindo liberdades fundamentais aos trabalhadores migrantes que trabalhavam em obras para a Copa. .

Em decisão de janeiro de 2017, o Tribunal Federal de Zurique entendeu que apenas o Estado soberano do Qatar seria capaz de promover mudanças no sistema de trabalho que impedissem violações a princípios de direitos humanos naquele país. Também entendeu que a Fifa não tinha nenhuma relação comercial com Nadim Alam, afastando assim a jurisdição do tribunal para análise da matéria.

Importante destacar que a corte europeia não disse que a Fifa não poderia ser responsabilizada pelos maus-tratos aos operários e violações a direitos humanos, já que ela decidiu com base nos critérios de jurisdição do tribunal, deixando de se manifestar com relação ao mérito.

Como explicou o professor Vinícius Calixto no livro “Lex Sportiva e Direitos Humanos”, “o caso expõe uma situação em que uma entidade privada com atuação transnacional (Fifa) foi demandada perante o ordenamento jurídico estatal ao qual está vinculado (Suíça), em decorrência de violações ocorridas em outra ordem estatal (Qatar). Ademais, nota-se que a ação foi movida por um cidadão bengali, em conjunto com entidades sindicais de Bangladesh e Holanda”.

A vitória de Nadim

Mesmo com a derrota no Tribunal, o caso de Nadim também ajudou na proteção de direitos humanos. Movimentos de direitos humanos, patrocinadores da entidade, sindicatos, estudiosos do esporte, todos se juntaram em um grande movimento condenando o trabalho que levantava estádios para o principal evento da entidade.

A irritação sofrida acabou provocando a federação a ter uma postura mais incisiva frente às autoridades cataris para que revogassem o sistema Kafala. E mais, a entidade criou uma comissão para inspecionar as obras para o Mundial, mudou Estatuto e implementou uma política de direitos humanos.

Mesmo assim…

A denúncia de agora só confirma que a realidade ainda está longe daquela determinada pelas políticas de defesa de direitos humanos. E se juridicamente as chances da Fifa ter de indenizar os operários são pequenas, a denúncia pode – e deve – provocar novas reflexões na entidade maior do futebol.

Se os dirigentes esquecem a natureza do esporte, a pressão organizada de atletas, patrocinadores, opinião pública e coletivos globais precisa fazer com que eles se lembrem.

E da próxima vez que for preciso escolher entre princípios e dinheiro, à Fifa só reste um caminho a seguir.

Crédito imagem: Reuters

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Nossa seleção de especialistas prepara você para o mercado de trabalho: pós-graduação CERS/Lei em Campo de Direito Desportivo. Inscreva-se!

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.