Gestão de gigante

Depois de 17 dias da tragédia no Ninho do Urubu, centro de treinamento do Clube de Regatas do Flamengo, o presidente do clube, Rodolfo Landim, veio, pela primeira após o ocorrido, falar sobre o trágico incêndio que levou à morte dez atletas da categoria de base.

Em discurso, o presidente disse que a fatalidade ocorrida no centro de treinamento é, certamente, a maior tragédia dos 123 anos de história do clube rubro-negro. No cargo há pouco mais de 30 dias, justificou que a ausência durante todo esse tempo foi para dar o devido suporte e atenção às famílias.

Entretanto, as informações veiculadas mostram a insatisfação das famílias das vítimas e as esquivas do clube em pagar as indenizações requeridas na reunião organizada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. Muito criticado por sua postura, o clube não chegou a um acordo com as famílias.

A imagem da instituição ficou ainda mais abalada. Os pais saíram, além de brutalmente fragilizados pela perda, decepcionados com o clube. Uma das reclamações dos familiares foi que o presidente não teria dado o devido suporte e atenção, nem mesmo na reunião de conciliação.

Não seria mais interessante que, mesmo depois de vários deslizes em situações de crise, o Flamengo encerrasse as demandas das famílias de forma amistosa e rápida? Por que um time que gastou aproximadamente R$ 130 milhões em contratações de atletas profissionais não aceitou pagar valores bem menos expressivos às dez famílias que perderam seus garotos? Por que ofereceu, segundo o MP do Trabalho, R$ 300/ R$ 400 mil para cada família? Quanto teria custado uma instalação adequada aos meninos que estavam sob a responsabilidade do clube no CT?

E o mais importante? Tudo poderia ter sido diferente? A resposta, sim.

Os programas de integridade são temas recorrentes nas empresas e instituições esportivas perante a mídia. Mas, efetivamente, sua implementação caminha a passos lentos. Pouco visto nas gestões esportivas, compliance é fundamental para muitas empresas internacionais e instituições financeiras. Gestores ilibados estão investindo em transparência, segurança e ética em seus clubes.

Infelizmente, como sempre acontece no Brasil, provamos a consequência mais amarga. A lembrança da tragédia permanecerá para sempre na mente de todos, o vazio permanecerá para sempre no colo de cada mãe e, ainda que toda a questão financeira seja resolvida após a tragédia, uma frase dita por Paul McNulty, ex-procurador-geral-adjunto dos Estados Unidos, se fará presente: “Se você acha compliance caro, experimente o não compliance”.

Se o clube seguisse diretrizes de um programa de gestão, provavelmente a estrutura estaria adequada, ou, no mínimo, haveria reserva de recursos para o risco apurado. Respostas rápidas gerariam menos revoltas, menor repercussão negativa à marca Flamengo, sem falar em maior conforto às dez famílias que nunca mais terão a possibilidade de abraçar seus filhos. Isso é compliance.

Esse momento delicado só deixa uma dúvida: como o Flamengo (com sua histórica trajetória de tantas conquistas e títulos, de uma torcida gigante e apaixonada e com tanta tradição) sairá desse problema? Pequeno como tem se mostrado a administração do clube ou gigante como é?

……….

Foto: Extra.com

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.