Gestão de risco e a Conmebol

Há tempos que temos acompanhado que a Confederação Sul-Americana de Futebol está envolvida em um escândalo após o outro. Uma das mais importantes instituições do esporte no mundo é investigada por corrupção. E agora, para piorar, falha na organização na Libertadores e compromete o evento que ajudou a batizar de a “Superfinal” de 2018.

Os três presidentes que atuaram à frente da Conmebol de 2011 a 2015 estão em prisão domiciliar. Só no caso “Fifagate”, mais de 20 dirigentes da América do Sul foram envolvidos. De lá para cá, os escândalos não descansaram.

Disciplinarmente, o Tribunal de Ética da entidade também deixou a desejar, não só por decisões um tanto suspeitas, mas também pela morosidade e falta de cumprimento dos prazos para julgamento. Um exemplo citado por muitos e que tomou conta das redes sociais envolve um dos finalistas, o River Plate. O time atuou com jogadores suspensos e ainda permitiu técnico suspenso de participar da semifinal da competição. Mesmo assim, o Tribunal, usando regulamento mal escrito, permitiu ao clube avançar. River ganhou na Justiça; Conmebol perdeu credibilidade.

Para piorar, a Superfinal entre os dois times de maior rivalidade do planeta acabou suspensa e, depois, remarcada. E suspensa de novo. Tudo por causa de atos violentos de torcedores e clima de insegurança.

A falta de segurança pública e o encontro do G-20 em Buenos Aires (encontro das grandes economias do mundo) também atrapalharam na definição de uma nova data.

Mas a questão é: daria para ser diferente? Mesmo com vandalismo de torcedores e escolta mal feita, daria para a Conmebol reagir de maneira mais eficiente.

Como se administra uma crise? Instituições desse porte não deveriam ter Gestão de Risco? Havendo, não deveria funcionar?

A Gestão de Risco prepara diretrizes em caso de crise. É absolutamente necessária para eliminar escândalos financeiros e de reputação, como os citados acima. É agir rapidamente em casos de adversidades.

Um comitê preparado para situações extremas estaria pronto para resolver e agir de maneira rápida, segura e eficiente quando acionado. Ou seja, essa indefinição dificilmente aconteceria.

E, melhor do que isso, com gerenciamento efetivo de risco, um processo que apura nos mais variados e críticos cenários situações passíveis de risco, seriam implementas medidas alternativas ou assecuratórias a fim de se prevenir ou evitar danos ao negócio.

Projetos bem-estruturados previnem perdas financeiras, possibilitam majoração dos lucros (programas seguros aumentam a visibilidade para investidores), melhoram os processos internos, a comunicação e demais funcionalidades do negócio.

Ou seja, poucas, mas importantes, mudanças teriam evitado o imenso abalo sofrido na imagem da Conmebol e na competição Libertadores. Mas, para isso, a entidade teria que jogar no campo da transparência, algo que ela ainda não faz.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.