“Grande Risco”

Mais de um ano e meio após a tragédia do Ninho do Urubu, que acabou causando a morte de dez atletas da base do Flamengo,  foram divulgados documentos que comprovam que o clube teve, nove meses antes do incêndio, conhecimento que haviam problemas elétrico no alojamento e, que necessitaria de reparos emergências.

Essas informações foram concluídas a partir de e-mails que comprovavam que a administração do centro de treinamentos, através dos relatórios da empresa CBI, já havia constatado deficiência no sistema elétrico da estrutura e que essa situação era de alta relevância e grande risco.

Já algum tempo venho conversando com muitos administradores, presidentes e dirigentes de clubes e instituições do esporte no Brasil sobre a importância, não só organizacional, mas também reputacional e gerencial, que um programa de compliance possibilita à instituição. Entretanto, tenho percebido que boa parte desses gestores ainda vê compliance como gasto e burocratização desnecessários.

Compliance nada mais é do que um programa que visa organizar, obedecer e aprimorar controles que darão um melhor funcionamento à instituição, tornando o negócio transparente, cumpridor das leis e, principalmente, preocupado em evitar riscos.

Um programa de integridade e conformidade, como compliance oferece, só passa a ser visto como investimento, e não custo, quando as grandes tragédias acontecem. Grandes perdas na Bolsa, escândalos de corrupção, acidentes estruturais que levam centenas de mortos e prejuízos ambientais incalculáveis, mas também levam garotos, futuros craques e seus sonhos.

Essa ferramenta visa não apenas evitar corrupção, desvios de recursos e um código de ético bem feito: compliance visa segurança jurídica, um ambiente seguro e agradável. Ou seja, é trabalhar em conformidade com os órgãos fiscalizadores e o bem-estar social.

Se olharmos para trás, a maioria das tragédias que aconteceram no Brasil nos últimos anos poderia ter sido evitada se houvesse o compromisso das gestões em seguir regras básicas de segurança. Se a companhia LaMia tivesse seguido as regras de aviação, o desastre que vitimou 71 pessoas, a maioria da equipe da Chapecoense, não teria ocorrido. Se os donos da boate Kiss, em Santa Maria/ RS, tivessem seguido as regras dos Bombeiros, o incêndio não teria acabado com 242 vítimas fatais. Se as mineradoras de Mariana e Brumadinho tivessem seguido as regras de segurança e fiscalização que são exigidas, os rompimentos das barragens não teriam ocorrido.

O mesmo vale para a tragédia no Centro de Treinamento do Flamengo, que não estava regularizado pelos Bombeiros, segundo a própria Defesa Civil do Rio de Janeiro, com inúmeras multas e construções temporárias que acabaram virando definitivas e agora confirmado pelas provas obtidas nas ultimas investigações. O espaço em que os atletas dormiam só poderia ser usado como estacionamento, conforme diz a Prefeitura do Rio de Janeiro.

Compliance é seguir a lei, cumprir normas, identificar riscos e implementar medidas de melhoria, além de organizar e tornar a gestão transparente, ética e comprometida. Investir em compliance é valorizar a instituição, os seus parceiros, a sua marca e, principalmente, sua equipe. Mas também é salvar vidas.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.