Investindo na vacina contra a pandemia financeira no futebol

“A objeção, o desvio, a desconfiança alegre, a vontade de troçar são sinais de saúde: tudo o que é absoluto pertence à patologia.”

O coronavírus está praticando o antijogo e os impactos financeiros da pandemia no esporte serão imensos. As principais perdas de receita devem acontecer nas vendas de ingressos, redução de sócios-torcedores, venda de produtos, corte nas verbas de TV e patrocínios, segundo estudos1. Apenas as perdas do mercado esportivo profissional global devem superar os US$ 15 bilhões de dólares americanos, valor que supera a casa dos R$80 bilhões na cotação da moeda brasileira hoje.

O futebol europeu, o mais forte no mundo, também será muito impactado. As perdas em 2020 dos 20 principais clubes podem chegar perto dos € 3 bilhões. Todas as fontes de receita serão prejudicadas. E na conexão com o futebol sul-americano em geral, mas especialmente o brasileiro, será natural a perda de valor disponível para investir em transferências, o que pode chegar a ser 40% menor que em 2019, algo muito ruim para os nossos clubes.

Em solo tupiniquim, os impactos podem ser gigantescos, com perdas superando os R$ 2,5 bilhões apenas para os 20 principais clubes brasileiros. Somente em transferências estes clubes podem perder entre R$500 e R$ 800 milhões. E quais são as alternativas que os clubes brasileiros terão para essa crise?

A comercialização dos direitos econômicos sobre jogadores de futebol com investidores, prática muito utilizada pelos clubes para a captação de receita após o fim do “passe”, poderia ser uma grande alternativa para o momento vivido. Entretanto, desde meados de 2015, essa negociação foi expressamente proibida pelo sistema federativo-associativo FIFA, com a criação do artigo 18 ter do Regulamento de Status e Transferência de Jogadores.

Mesmo sem um grande debate do tema com a principal região interessada, a região sul-americana, essa fonte de receita foi banida. Os principais argumentos utilizados para a proibição eram: as questões ética e morais de ver o atleta como ativo financeiro, a possível violação da integridade das competições desportivas, a dinâmica do negócio buscar transferências constantes, gerando instabilidade contratual, e a prática ser colidente com a ideia do fair play financeiro.

Em que pese a nobreza dos ideais protegidos com a proibição, acreditamos que a regulamentação de tais práticas era o caminho mais racional a ser trilhado já naquele período, todavia, com a atual crise, poderia ser a vacina contra a pandemia financeira que está a contaminar o nosso futebol. Por isso a importância de toda a comunidade jurídico-desportiva se lançar às pesquisas para encontrar a vacina adequada, sem que seus componentes agridam outros pontos vitais.

Mas o que é uma vacina?

Vacina é “uma substância derivada, ou quimicamente semelhante, a um agente infeccioso particular, causador de doença. Esta substância é reconhecida pelo sistema imunitário do indivíduo vacinado e suscita da parte deste uma resposta que o protege de uma doença associada ao agente.”3 No caso dos direitos econômicos sobre jogadores de futebol, o agente causador da doença é a ausência de recursos financeiros, e a substância que dará a proteção é o valor financeiro investido.

A vacina é composta, em geral, por 4 componentes: o antígeno, o solvente, os conservantes e os adjuvantes. No caso da vacina para a pandemia financeira no futebol, alguns elementos que podem ser estudados para a sua composição são: definição do conceito de direitos econômicos; suspensão temporal ou definitiva do artigo 18 ter do RSTJ FIFA; permissão de cessão apenas para clubes com a obrigatoriedade de investimento de capital; padronização de contrato de cessão; registro de investidores e do contrato de cessão com a publicação para assegurar a transparência, obrigatoriedade da anuência do jogador, proibição de cessão de direitos de jogadores menores de 18 anos, limitação de porcentagem cedida, de número de jogadores por clube e por investidor; manutenção de proibição de cessão para agentes e do artigo 18 bis do RSTJ FIFA, e o destino prioritário dos recursos investidos para o pagamento de salários atrasados dos jogadores.

Agora é pesquisar, estudar e fazer as experiências com os elementos acima e outros, identificando e harmonizando o antígeno, os solventes, os conservantes e os adjuvantes para encontrar a vacina adequada, trazendo a OMS do futebol federado e as outras entidades que conhecem a saúde dessa região para o movimento.

“Quando os médicos diferem, o paciente padece.”4

……….

1. Friedrich Nietzsche

2.https://www.sportsvalue.com.br/wp-content/uploads/2020/06/Impactos-COVID-19-nas-receitas-dos-clubes-brasileiros-Sports-Value-jun-2020-1.pdf

3.https://webpages.ciencias.ulisboa.pt/~mcgomes/vacinacao/vacinas/index.html#:~:text=tente%20o%20dicion%C3%A1rio.-,O%20que%20%C3%A9%20uma%20vacina%20%3F,uma%20doen%C3%A7a%20associada%20ao%20agente.

4. Confúcio

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.