Jogos Olímpicos, Olimpíada e o simbolismo de Tóquio 2021

Muitas especulações rondam a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio, e pesquisas apontam que determinadas empresas são favoráveis ao cancelamento[1].

Se tudo der certo, a capital nipônica será o palco da XXXII edição dos Jogos Olímpicos, conforme resultado obtido após a eleição da cidade-sede que teve lugar em Buenos Aires, no dia 7 de setembro de 2013, durante a 125ª Sessão do Comité Olímpico Internacional.

Inicialmente cumpre esclarecer a diferença entre Jogos Olímpicos e Olimpíada e para tal louvo-me da lição do advogado Márcio Aguiar que, com maestria, traz a regra número 6 da Carta para esclarecer que “Olimpíada é o período de quatro anos entre a realização de cada Jogos Olímpicos”[2]. Desta forma, cada Olimpíada inicia no primeiro dia de janeiro do primeiro ano de realização dos Jogos e segue até o dia 31 de dezembro do quarto ano, véspera do próximo evento, razão pela qual, a XXI deveria ser experimentada até 31.12.2019, mas em razão da pandemia, este ciclo foi alterado.

Durante os Jogos Olímpicos da Era Moderna, iniciados em Atenas no ano de 1896, a Olimpíada teve o seu ciclo de 4 anos alterado apenas em razão das duas Grandes Guerras que provocaram o cancelamento dos Jogos Olímpicos de 1916, 1940 e 1944.

Os Jogos Olímpicos da Grécia Antiga constituíam uma significativa manifestação das estruturas e valores sociais daquele povo. O professor José Esteves lembra que, ao contrário do que nos foi ensinado na escola o ideal de crença, paz e fraternidade é um mito, tendo em vista que as competições eram rigorosamente proibidas a estrangeiros e escravos, portanto, vedada à todos os que não fosse gregos livres e que trabalhassem. Logo, havia uma manifesta discriminação racial, cultutral e social[3].

Outrossim, a paz dos Jogos antigos se traduzia em condição para a realização destes e jamais o seu objetivo central.

Com efeito, as Olimpíadas refletem um dos traços culturais mais antigos no âmbito desportivo e sua edição mais remota data de 776 a 393 a.C., com cultos a divindades. De acordo com Márcio Aguiar, os homens rendiam a Zeus a sua participação nos Jogos, enquanto as mulheres honravam a Hera, sendo que a participação das mulheres foi admitida dois séculos após a realização dos primeiros Jogos. Para as mulheres as Olimpíadas se chamavam Heraia, em homenagem a deusa Hera, mulher de Zeus[4].

Felizmente a evolução histórica permitiu que uma prática segregacionista, envolta em casos de doping e corrupção e que foi utilizada para incentivar a guerra, atualmente simboliza a celebração da paz, a união de povos o ideal do jogo limpo e o respeito e combate a discriminação entre sexos e raças.

Com suas modalidades de verão e de inverno, os Jogos possibilitam a união de milhares de atletas em mais de três dúzias de diferentes modalidades desportivas. Isso sem falar nos Jogos Paralímpicos e nos Jogos Olímpicos da Juventude que promovem a saúde do corpo e da mente em seus múltiplos aspectos.

Para Gérald Simon, o movimento olímpico ocupa um lugar especial no sistema desportivo. É certamente, como as outras estruturas do movimento desportivo, uma organização efetivamente desportiva, uma vez que assegura a realização, a cada quatro anos, de um evento que se globalizou e que constitui o principal ponto de encontro de grande parte das disciplinas admitidas aos Jogos[5].

Em 1892, Pierre de Coubertain expressou o seu ideal de restabelecer os Jogos Olímpicos, fato este consagrado a 23 de junho de 1894. Coube ao francês a introdução do conceito de Olimpismo nos Jogos, sendo que este constitui o valor maior do Movimento Olímpico, a ponto de ser apresentado na Carta Olímpica como o primeiro de seus princípios, com o objetivo de colocar o desporto ao serviço do desenvolvimento harmonioso da pessoa humana em vista de promover uma sociedade pacífica preocupada com a preservação da dignidade humana.[6]  

Desta forma, a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio neste conturbado período no qual o mundo atravessa, em razão da pandemia provocada pela Covid-19, terá o simbolismo de concluir a Olimpíada, já com o seu ciclo alterado, mas com uma mensagem de esperança mundial e celebração da vida e da fraternidade.

……….

[1] Neste sentido foi a matéria trazida pelo Lei em Campo nesta semana, na qual uma pesquisa feita pela Tóquio Shoko Research concluiu que 56% das empresas do Japão são favoráveis ao cancelamento ou adiamento do evento. Disponível em: https://leiemcampo.com.br/pesquisa-aponta-que-maioria-das-empresas-japonesas-sao-favoraveis-ao-cancelamento-dos-jogos-olimpicos/. Acesso realizado em 16.02.2021.

[2] AGUIAR, Márcio. Olimpíadas. In MESTRE, Alexandre Miguel (Cord.). Enciclopédia de Direito do Desporto. Gestlegal, Coimbra, 2019. p. 300.

[3] ESTEVES, José. O Desporto e as Estruturas Sociais. Círculo de Leitores, 4ªedição. Lisboa, 1975. p. 18.

[4] AGUIAR, Márcio. Op. Cit. p. 300.

[5] SIMON, Gérald. CHAUSSARD, Cécile. ICARD Philippe. JACOTOT, David. LA MARDIÈRE, Christophe. THOMAS. Vincent. Droit du sport. Thémis. Paris. 2012. p. 13. (Tradução livre).

[6] Disponível em: https://comiteolimpicoportugal.pt/definicao-olimpismo/. Acesso realizado em 16.02.2021.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.