Lesão no esporte: compensação (jurídica) para jogadores da Premier League

Na semana passada tratamos da questão das lesões de jogadores da Premier League sob a ótica do contrato profissional padronizado da liga. Sabemos o que o tema é previsto em três cláusulas do contrato: 6, 7 e 8.

Essas cláusulas tratam do relacionamento entre jogador e clube e das responsabilidades entre si, com especial enfoque nas obrigações do clube com os jogadores em caso de lesões e/ou incapacidade permanente. Mas quais as outras formas de ressarcimento em caso de lesões? Por exemplo, como se dá o ressarcimento por parte de terceiro causador da lesão do atleta?

Na Inglaterra o ressarcimento em casos dessa natureza tem caráter compensatório (e não indenizatório), ou seja, visa colocar a vítima em situação em que ela estaria caso o evento não tivesse ocorrido. Iniciar uma ação desse tipo pode ser muito difícil em se tratando de lesão sofrida em campo, durante a prática do esporte. Isso por conta da dificuldade de comprovar a intenção do causador: estaria ele (ela) agindo com dolo ou culpa? Ou trata-se de mero acidente (algo a que todos os atletas estão sujeitos)?

Assim, é muito incomum esse tipo de ação. Porém, uma vez transpassado esse primeiro obstáculo jurídico, deve-se dar prosseguimento à busca de ressarcimento diretamente do causador e, segundo as leis inglesas, também pode-se buscar ressarcimento do clube empregador do causador (a chamada vicarious liability).

O jogador vítima da lesão deve então iniciar uma comunicação formal (invariavelmente por meio de advogados) com o jogador causador e o clube empregador daquele. Essa comunicação deve se dar pré-processualmente, com o intuito de atingir uma resolução da disputa de forma amigável. Assim, o jogador vítima deve elencar os vários pedidos possíveis baseados nas leis inglesas. Tipicamente, os pedidos são:

  • * Lesões físicas e danos psicológicos (na Inglaterra não existem danos morais da forma como comporta o direito brasileiro. Danos psicológicos ou psiquiátricos precisam ser comprovados – por perícia médica – para figurar como elemento da compensação).
  • * Perdas salariais.
  • * Despesas com tratamentos médicos.
  • * Cuidados e atenção que recebem de familiares durante o período de recuperação (a lei visa compensar os familiares e amigos pelo tempo que gastam ao auxiliar a vítima).
  • * Reembolso de viagens, férias e/ou qualquer outro tipo de compromisso que o jogador já tinha marcado e que, por conta da lesão, não poderá gozar.

 

Há vários outros tipos de pedidos a serem feitos, porém, o adágio “cada caso é um caso” cabe perfeitamente aqui.

Lembrem de que o clube empregador da vítima também pode “pegar carona” no processo de ressarcimento da vítima. A cláusula 8 do contrato da Premier League impõe a obrigação do jogador lesionado de, caso impetre ação contra o causador da sua lesão, incluir os direitos de ressarcimento ao clube (desde que seja razoável assim fazê-lo) por pagamentos feitos ao jogador em decorrência da lesão (ou seja, permite que o clube recupere todo e qualquer pagamento feito ao atleta por conta da sua lesão).

Apesar do caráter incomum desse tipo de ação (pelos motivos acima descritos), há, sim, a possibilidade jurídica de a vítima processar o causador da lesão.

Enquanto o contrato de trabalho da Premier League traz certas garantias aos jogadores caso se lesionem ou adoeçam e dê às vítimas ainda a possibilidade de buscar compensação por meio judicial, há ainda outra opção para se precaverem (ou se assegurarem) contra esse risco. Na próxima semana traremos à tona uma medida contratual.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.