Liberdade de expressão no esporte

Tal como em um Fla-Flu, os brasileiros têm travado calorosos debates sobre a liberdade de expressão desde a prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL/RJ) em razão de sua manifestação contra o STF e pelo AI-5 (decreto do governo militar de 1968 que inaugurou fase de grande restrição de direitos) em um vídeo divulgado em suas redes sociais.

A liberdade de expressão é um Direito Fundamental previsto no art. 5, IV, da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

Trata-se de uma das espécies de direito fundamental, ou seja, são aqueles considerados como básicos no texto constitucional.

Os direitos fundamentais não são absolutos, ou seja, podem ser relativizados. A própria Constituição relativizou o direito à vida, por exemplo, ao prever a pena de morte em caso de guerra declarada no inciso XLVII, do art. 5.

No entanto, a limitação dos direitos fundamentais só é admitida quando for compatível com a norma constitucional  e quando forem observados os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade.

Assim, a liberdade de expressão não pode colidir com outros direitos fundamentais devendo-se, em cada caso concreto, estabelecer seus limites.

Não se pode, por exemplo, assegurar a liberdade de expressão em caso de racismo, eis que a própria Constituição traz como direito fundamental a igualdade, bem como estabelece tratar-se de crime inafiançável.

No caso do Deputado, com todo exagero, falta de educação e radicalismo, percebe-se haver um ali acusações severas e importantes contra membros de um Poder, o que encontra guarida no art. 70 da Constituição. Sem entrar no mérito da imunidade parlamentar vê-se ali a possibilidade de haver crimes contra a honra (injúria, calúnia, difamação), mas não crime contra a segurança nacional.

Ora, o deputado Daniel Silveira é apenas um dos 513 deputados federais que não encontra apoio e representatividade entre seus pares. Suas palavras podem até agradar aos seus eleitores mas, de longe, não tem o condão de atentar contra as instituições.

Vale dizer que, como ele, vários jornalistas, youtubers, influenciadores, blogueiros, dentre outros reproduzem discursos muito parecidos contra o próprio Supremo ou contra outros Poderes e autoridades.

Será que esta medida do STF não acabará por intimidar outros deputados e autoridades a realizar eventuais denuncias à instituição e aos seus membros.

Não seria o caso dos Ministros ofendidos, como qualquer cidadão que tenha sua honra injustamente atacada, buscarem os meios legais?

Retornando-se ao esporte, a liberdade de expressão também encontra limites. O art. 5 da Constituição nos incisos XVII, XX e XXII estabelece como direitos fundamentais a liberdade de associação par fins lícitos e o direito de propriedade.

Neste esteio, um atleta a se associar a uma Federação de forma livre aceita as normas, regulamentos e regimentos federativos. Destaque-se que as federações/associações são um conjunto de pessoas e deve representar a vontade da maioria externada nas Assembleias.

Logo, se a maioria, entender, por exemplo, pela despolitização e pela isenção religiosa da entidade, é perfeitamente legal vedar e punir opiniões políticas e religiosas externas por seus filiados durante ou nos locais de eventos esportivos.

A FIFA, por exemplo, proíbe em seus Estatutos manifestações religiosas e propagandas nos eventos que organiza.

No que tange à liberdade de manifestação do torcedor no local do evento esportivo, também é possível sua relativização.

Ao adquirir um ingresso, o torcedor passa a ter o direito de ingressas em um local privado para assistir a um evento privado. Dessa forma, o direito de propriedade confere ao seu titular estabelecer limites.

Os clubes sociais, por exemplo, vedam o acesso de não sócios. Outro exemplo são algumas Igrejas que proíbem manifestações, acesso com determinada vestimenta a até fotografias em suas instalações.

Portanto, a liberdade de expressão, como qualquer outro direito fundamental encontra limites sem que ocorra censura ou patrulhamento. Trata-se tão somente de aplicação dos princípio da proporcionalidade e da razoabilidade a fim de resguardar e proteger direitos fundamentais tão relevantes quanto a liberdade de expressão e que devem ser respeitados no caso concreto. Ou seja, é o exercício de uma medida de ponderação do próprio direito, no qual, conforme já mencionado, nenhuma regra ou princípio são absolutos.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.