Meio de comunicação no esporte eletrônico

Os meios de comunicação pelos quais as provas/partidas de um esporte são transmitidas são diretamente responsáveis pela popularidade e sucesso econômico dele.

No entanto, com o mercado criado em torno dos espetáculos esportivos crescendo e amadurecendo, outros conteúdos passam a ser exploráveis, como por exemplo a imagem do clube, a imagem do atleta e a cobertura jornalística.

Nesse artigo abordaremos a história do meio de comunicação esportivo no Brasil, em especial no esporte eletrônico, a fim de, na próxima semana, analisar a cobertura jornalística esportiva e sua função econômica e, mais importante, social.

A importância dos meios de comunicação para o futebol no Brasil

É possível observar que as explosões (e o declínio) de popularidade do futebol está ligado ao meio de comunicação utilizado para divulgá-lo.

O futebol chegou no Brasil em 1894 trazido da Inglaterra por Chales Miller e foi rapidamente se popularizando.

A proliferação de fãs é devida principalmente por ter suas partidas descritas em jornais e revistas por autores capazes de exceder a emoção dos já emocionantes espetáculos. Os eventos esportivos eram pintados como uma sucessão de feitos heroicos protagonizados por ídolos imortais.

Não demorou muito para que o futebol se tornasse o esporte número um no Brasil, ultrapassando o Remo, e entre a década de 1920 e 1930 chegou às camadas populares da sociedade.

O interesse pelo futebol levou-o ao rádio. Primeiro com pequenas intervenções narrando lances específicos durante a programação e passou por uma lenta transição com os jogos de futebol ganhando cada vez mais espaço, até que foi feita a primeira transmissão ao vivo de um jogo completo, lance a lance, do início ao fim, em 1931 por Nicolau Tuma.

O interesse pelo esporte levou o futebol ao rádio. Mas o rádio fez pelo futebol muito mais. O meio de comunicação foi essencial para o crescimento sem precedentes dessa forma de entretenimento.

Por fim, outra explosão de popularidade do futebol é devida a chegada da televisão na casa da população brasileira e das transmissões dos jogos de futebol na televisão já na primeira metade da década de 1950.

A televisão será responsável por ser a principal fonte de entretenimento do brasileiro até o início da década de 2010, quando os computadores pessoais se tornam comuns nas casas dos brasileiros, além disso a infraestrutura de cabeamento permite uma conexão de qualidade com a internet. Posteriormente, a invasão dos smartphones nas casas brasileiras consolida a transição do analógico para o digital.

A miopia (ou falta de gestão/profissionalismo) dos gestores do futebol unida a força política e econômica das (também míopes) emissoras de televisão – que sempre possuíram os direitos de transmissão dos espetáculos esportivos – foram resistências suficientes para que o futebol não se renovasse e não encontrasse caminho saudável para adentrar a era digital.

A dificuldade em renovar o público e os recentes escândalos envolvendo o futebol são as principais causas da crise que afeta o mercado brasileiro da modalidade, enquanto o mesmo esporte está em pleno crescimento nos Estados Unidos (MLS) e se mantém com relativa saúde na Europa – embora a Europa esteja sofrendo com problemas diferentes, como a falta de competitividade, que as recentes regras de fair-play buscam resolver.

A importância dos meios de comunicação para o esporte eletrônico no Brasil

A primeira vez que o esporte eletrônico se tornou relevante no Brasil tem ligação com a forma como os jogos eletrônicos competitivos eram praticados.

Diferente da Coreia do Sul, que iniciou o investimento em infraestrutura de cabeamento logo na década de 1990 e permitia que os cidadãos coreanos competissem uns com os outros a distância – mesmo que pequena – desde cedo, no Brasil só era possível a prática competitiva em redes locais (LAN – Local Area Network), proporcionadas pelas Lan Houses.

O modelo de negócio das Lan Houses começou em São Paulo através da franquia Monkey em 1998. As Lan Houses foram responsáveis por popularizar o eSport entre seus consumidores, bem como sediar as competições no Brasil.

É nessa época que a primeira explosão de popularidade do esporte eletrônico acontece, principalmente com a febre do Counter-Strike 1.6, que foi responsável pela criação de clubes cujas marcas permanecem relevantes até hoje, como a MIBR.

No entanto com o crescente aumento de computadores pessoais nas residências brasileiras, o modelo de negócio das Lan Houses entra em decadência na segunda metade dos anos 2000. Apesar dos computadores estarem presentes, a infraestrutura de cabeamento não era suficiente nem para a prática e nem a transmissão do esporte eletrônico, que naquele momento não conseguiu ser suficientemente popular para alcançar os meios de comunicação impressos ou analógicos (rádio e/ou TV).

Com a chegada da fibra ótica (que permite velocidades de upload acima de 5 mb/s) no Brasil no início da década de 2010, aliada a empresas que investiram no streaming, como a Twitch.tv, e com produtos esportivos que se adaptam a essa forma de transmissão (League of Legends, Counter-Strike: Global Offensive, etc), o esporte eletrônico encontrou novamente uma forma de ser assistido.

O ano de 2012 marca o despertar do esporte eletrônico no Brasil e cresce em ritmo surpreendente desde então.

É possível o analógico se adaptar ao digital? E o digital deve ser adaptado ao analógico?

Nos últimos anos foi possível observar o futebol brasileiro tentando encontrar espaço no ambiente digital. O formato das transmissões e programas televisivos foram alterados substancialmente em um movimento que foi apelidado de “Leifertização” – condenado por uns e elogiado por outros –, graças a forma descontraída e disruptiva de contar histórias esportivas iniciada pelo jornalista Tiago Leifert.

A transmissão de jogos em canais de youtube dos clubes de futebol brasileiros possibilitada pela MP do mandante (n. 984/2020), foi determinante para que – não tão – novas discussões sobre a necessidade de adaptação do produto futebolístico aflorassem no meio esportivo.

O Tiago Leifert também foi responsável por buscar adaptar o conteúdo digital para a TV, através do programa Zero1, que iniciou em 2016 e chegou ao seu quinto ano em 2020 com um total de 72 episódios em quatro temporadas. O programa teve relativo sucesso, relativo porque conseguiu boa audiência, mas desde o início foi transmitido na madrugada, falhando em conquistar horários mais disputados.

Apesar da transmissão das competições de esporte eletrônico encontrarem espaço na programação de alguns canais televisão, o formato próprio do digital causa dor de cabeça nas emissoras. A duração das competições costuma ser o pior problema, como foi o caso da final do Campeonato Brasileiro de League of Legends de 2018 entre Flamengo e KaBuM, que contou com mais de 6 horas de transmissão.

No final deste ano (2020) uma notícia acalorou o coração dos fãs dos eSports: chegaria à TV aberta, substituindo o sinal da antiga MTV Brasil, o canal Loading, cuja programação seria toda virada para a cultura pop e geek, contando com games, esports, animes, kpop, entre outros.

No entanto, logo na primeira semana que foi ao ar, o canal de televisão surpreendeu negativamente, se envolvendo em uma controvérsia envolvendo sua equipe de eSports, que foi toda desligada. A motivação para o desligamento seria o “desalinhamento editorial” entre a emissora e a equipe de jornalismo, que apontou que o desalinhamento seria, na verdade, censura.

É claro, portanto, que a liberdade que esses jornalistas sempre tiveram garantida pelos meios digitais onde trabalharam não lhes foi garantida quando adentraram o ambiente analógico.

Na próxima semana, aqui no eSport Legal, abordaremos esta e outras histórias do jornalismo no meio do esporte eletrônico.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.