Na dividida entre Kant e Hegel, quem apita é Habermas

Temos conversado por aqui acerca do caráter autônomo do sistema transnacional do esporte, que foi batizado por “Lex Sportiva” (não confundir com “lei esportiva”, estamos falando de todo o sistema, não apenas o jurídico, e, apesar disso, o nome é “lex” mesmo). Pois bem, esse sistema, naturalmente, entra em choque diariamente com outros, e as consequências são um repertório enorme para a pesquisa na área da Sociologia do Esporte e, claro, também no Direito Esportivo.

Um exemplo de que todos se recordam é o notório Caso Bosman. Se você ainda não conhece bem a história desse heroico jogador belga, recomendo a leitura do ótimo texto de Andrei Kampff aqui no Lei em Campo. Trata-se de um caso interessantíssimo a todos os pesquisadores do fenômeno do Direito Transnacional. De uma só vez, um fato ocorrido no âmbito da Lex Sportiva passou a acionar não só a jurisdição interna da Bélgica, como ainda o especialíssimo Direito Comunitário europeu. Quem decidiu finalmente e a favor do jogador de futebol, fulminando o instituto do passe, foi o Tribunal de Justiça da Europa, um dos órgãos principais da União Europeia.

Intervenção do Direito Europeu contra a autonomia da Lex Sportiva? Não é bem assim, mas continuemos com outro caso para complexificar ainda mais.

No meu livro “Constituição e Esporte no Brasil” conto a história de outro atleta que gerou um problema importante para a Lex Sportiva:

“…o processo que foi julgado pelo TAS em 2010 referente à condenação do atleta Alejandro Valverde por dopagem no âmbito da União Ciclística Internacional — UCI. Ocorre que o órgão de controle de doping interno do país de Valverde, Espanha, considerou, a condenação da UCI não poderia ser aplicada por insuficiência de provas e prevalência do princípio do in dubio pro reo, previsto no sistema constitucional estatal espanhol. A intervenção do TAS se deu por provocação da UCI, que buscava a supremacia do direito transnacional esportivo para a resolução do caso, com a manutenção da sanção imposta contra o atleta. O TAS, por meio da sentença arbitral CAS 2009/A/1879 —Alejandro Valverde Belmonte v. ‘Comitato Olimpico Nazionale Italiano’, confirmou a condenação do ciclista por doping, argumentando que o princípio da territorialidade dos atos nacionais previne que haja geração de efeitos da decisão além do território nacional.”¹

Resumidamente, a Corte Arbitral do Esporte (CAS), instância processual máxima da Lex Sportiva, desconsiderou a decisão do tribunal estatal espanhol e impôs ao ciclista a continuidade da sanção do sistema transnacional do esporte.

No primeiro caso, Bosman, o sistema UEFA/FIFA aceitou a decisão estatal/comunitária e mudou seu procedimento interno (na esfera da Lex Sportiva) para casos análogos. Caíram tanto o limite a jogadores europeus não nacionais do time para as competições, como o direito do clube sobre o passe do atleta. O sistema absorveu a decisão europeia e a transformou em linguagem jurídica interna, como se já fosse própria sua.

Já no Caso Valverde, o limite da convivência entre os sistemas chegou a um esgarçamento. Imagine a seguinte situação: o cliclista estaria “liberado” pelo Estado espanhol para competir em seu território, mas a UCI não reconheceria seus resultados nem na Espanha nem em qualquer outra parte do mundo.

Não sei se ficou claro, mas os dois casos trazem em seus cernes a proteção aos Direitos Humanos. A dignidade e liberdade de trabalho de um jogador de futebol e a presunção de inocência de um ciclista condenado, segundo o tribunal da Espanha, sem base em provas.
Se Hegel entendia que não haveria liberdade fora do Estado e Kant dizia que qualquer liberdade adviria da supremacia de direitos do indivíduo, como resolver tão graves dilemas? Como colocar por terra a autonomia das entidades esportivas em um julgamento do tribunal da União Europeia ou entender que o princípio da especificidade esportiva se sobrepõe ao direito de um atleta ao devido processo legal? Kant ou Hegel?

Veja, eu entendo, como já escrevi nesse meu último livro¹, que:

“A passagem do racionalismo para a situação atual de alta complexidade social retira o sentido de uma autonomia dividida entre uma vertente subjetiva —vista simplesmente como condição de se portar audeterminadamente —e de autonomia exterior — no sentido de se proteger contra a tirania, para uma dimensão de equiprimordialidade entre a autonomia privada e pública.”

Explico melhor, mas agora recorrendo diretamente ao filósofo alemão, nosso contemporâneo, J. Habermas. Para ele:

“O sistema dos direitos não pode ser reduzido a uma interpretação moral dos direitos, nem a uma interpretação ética da soberania do povo, porque a autonomia privada dos cidadãos não pode ser sobreposta e nem subordinada à sua autonomia política”.

Esse membro tardio da Escola de Frankfurt, expoente já de transição da Teoria Crítica, entende, como lemos acima, que não há mais possibilidade de defesa para a ideia moderna de uma heteronomia contingenciadora da autonomia, por ele vista de modo indivisível, já que a equiprimordialidade impede a supremacia da face externa à interna.

Por isso, nem Kant, nem Hegel. Habermas, mesmo que partindo do que eles deixaram de legado, avança para a hipótese de uma única decisão correta em hipóteses de conflitos intersistêmicos: a prevalência da defesa dos Direitos Humanos. Inclusive nos nossos casos do Direito Esportivo que citei neste artigo.

……….
¹ CAMARGOS, Wladimyr. Constituição e Esporte no Brasil. 1. ed. Goiânia: Kelps, 2017. v. 1. 199p.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.