Nem na FIFA nem no Vasco – gestões prometem mudanças, mas estão longe de mudar

Se o aprendizado se dá pelo exemplo, como a FIFA cobrará das entidades de prática desportiva uma postura correta e íntegra?

Os escândalos que levaram a entidade máxima do esporte para as páginas policiais do mundo todo não foram suficientes para que a FIFA mudasse, de uma vez por todas, as condutas de transparência e ética.

Na mesma noite em que a atual presidência do Vasco consegue escapar de uma sindicância, o ex-dirigente da FIFA afirma que a entidade mais importante do futebol continua com um cartel político e vai na contramão da transparência prometida na posse da atual gestão.

O Vasco da Gama, em votação apertada do Conselho, liberou o presidente do clube de sindicância que investigaria uma diferença contábil de 4 milhões de reais de prejuízo e que, por consequência, culminaria com o impeachment do presidente, Alexandre Capello. Essa foi a terceira vez em que o gestor à frente do clube escapou de investigações – as demais foram por suposta evasão de divisas, por empregar sócios no departamento médico e por gestão temerária.

Com o veto, quem perde é a Vasco.

As investigações trariam à tona a verdadeira administração. Se irregular, os culpados seriam punidos; se correta, a presidência sairia fortalecida por ser transparente na prestação de contas, preservando a imagem ilibada como aliada.

O problema é que, quando o exemplo não vem de quem deveria dá-lo, tudo fica mais complicado.

Amanhã, dia 5 de junho, tem eleições na FIFA. Mas essas eleições não terão mudanças na cúpula da entidade, pois Gianni Infantino, atual presidente, será reeleito. Ele é candidato único para continuar à frente da FIFA.

O cara que assumiu a instituição logo após todas as investigações e prisões que mancharam a principal administradora do futebol, no discurso de posse, se comprometeu a limpar a casa. Sem cumprir o prometido, chega como candidato à reeleição cometendo os mesmos erros que o seu antecessor.

As comissões criadas para fiscalizar e investigar irregularidades e aumentar os controles da FIFA duraram apenas alguns meses. A alta administração não pode atuar com independência e foi pressionada a decidir mesmo que em desacordo com as regras da própria entidade.

A centralização das decisões da atual gestão tem mostrado ao mundo que a transparência e a democracia não são prioridades. As críticas também não são bem-vindas, tendo em vista que as denúncias de corrupção são tratadas como crime de difamação, seja contra a FIFA, seja contra outro dirigente.

Tanto o Vasco como a FIFA precisam perceber que os maus exemplos são vistos e seguidos não apenas por quem administra, mas por todos aqueles que vivem o futebol. Em uma época em que compliance, Lava Jato e FIFAGate estão nas manchetes dos jornais do mundo todo, o esporte não pode retroceder nos pontos básicos de uma gestão profissional, que são governança e transparência.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.