No futebol, no tênis… a integridade do esporte ameaçada

Dois casos recentes mostram que um inimigo do esporte permanece vivo, e atuante. No tênis, a eslováquia Dagmara Baskova foi punida por manipular resultados de seus jogos e, no futebol, o inglês Kieren Trippier também foi recebeu punição grave por quebrar regras relacionadas a apostas. Tudo isso atinge um dos pilares do esporte: a integridade.

A manipulação de resultados é um dos maiores inimigos do esporte. E é fácil entender por quê.

Esporte vive da incerteza

A graça do esporte está na incerteza do resultado. Se todos soubessem de véspera qual seria o placar de um jogo, o esporte perderia força, e a paixão encolheria. Por isso vários dos princípios do direito esportivo visam garantir essa imprevisibilidade, como a integridade esportiva, o jogo limpo, e a paridade de armas, que é dar condições iguais aos competidores.

Daí porque é fundamental, entre outras coisas, combater a manipulação de resultado.

Normalmente essa fraude ocorre por interesse financeiro, mas ela também agride a natureza do esporte. E não é um problema recente no esporte, é histórico.

O “CBJD” de 1942 já trazia punições contra a manipulação de resultados

O professor Wladimyr Camargos lembrou em coluna no Lei em Campo que a resolução do Conselho Nacional de Desportos (CND), de 4/11/1942, que traz a primeira Lei Geral do Esporte, dispunha acerca de um tema bastante caro nos dias de hoje: a manipulação de resultados de partidas e competições.

O texto original assim regia o assunto:

33.

  1. d) será motivo de eliminação do atleta a participação ou cumplicidade em tentativa de suborno, destinado a causar, promover ou facilitar a derrota de um quadro, bem come o fato de ter conhecimento da tentativa e não denunciá-la imediatamente

35.

Estará sujeito a grave punição aquele que, direta ou indiretamente, induzir ou tentar induzir o atleta a proceder, em campo, de maneira desvantajosa para o quadro a que pertence, ou a algum árbitro ou linesman, com o Propósito de persuadi-lo ao desempenho da função, por forma que assegure ou facilite a vitória de uma determinada associação. Apurada a infração, o responsável ficará inhabilitado [sic] para ocupar cargo ou função em entidade desportiva e para ser sócio, atleta, dirigente, treinador, massagista ou empregado a serviço dos desportos. Se do fato ou fatos compreendidos neste item resultar a responsabilidade de alguma entidade desportiva, será esta suspensa e, no caso de reincidência, ser-lhe-á cassada pelo C. N. D. o direito de funcionamento.

Ou seja, os dispositivos transcritos visavam proteger o esporte de alto rendimento contra atitudes que atuavam contra a igualdade do esporte.  Mesmo lá em 1942, quando o Direito Esportivo começava a ser entendido e aplicado no Brasil, já se via a necessidade de proteger a integridade do esporte.

E ainda hoje, o esporte no Brasil e no mundo se vê ameaçado.

O tênis, o futebol…

Após “vender” e manipular resultados de seus jogos, a tenista da Dagmara Baskova recebeu uma punição de acordo com a gravidade dos fatos: ela não poderá atuar profissionalmente nos próximos 12 anos.

A punição foi anunciada no final de dezembro de 2020 pela Unidade de Integridade do Tênis (TIU), entidade encarregada pela investigação. A atleta ainda terá que pagar uma multa, estipulada inicialmente em quase R$ 200 mil.

Segundo a Associação Internacional de Integridade nas Apostas, a manipulação de resultados envolve uma indústria de criminosos em vários esportes. Só em 2019 houve 37 casos. O tênis liderou as denúncias, com 17 casos suspeitos.

Para combater a manipulação, o tênis investiu em Integridade.

Responsável por investigar manipulações de resultados, a TIU é um órgão anticorrupção que supervisiona o tênis profissional. A organização, que foi criada em 2008 por iniciativa da ITF, ATP, WTA e dos quatro torneios do Grand Slam (Australian Open, French Open, Wimbledon e US Open), tem a política de tolerância zero para a corrupção relacionada às apostas.

Com operação independente, e com sede em Londres, a TIU é financiada pelas organizações responsáveis por sua criação. Além de combater a corrupção, ela investiga e repreende infratores.

Outro caso do futebol também foi notícia no final de 2020.

A Fifa decidiu liberar para jogar o lateral-direito do Atlético de Madrid e da seleção inglesa, Kieran Trippier, depois que o jogador foi punido há duas semanas pela Football Association (FA) com uma suspensão de 10 semanas e multa de 70 mil libras (R$ 490 mil na cotação atual) por quebrar regras relacionadas a aposta.

A entidade máxima do futebol anunciou no último domingo (3) que irá analisar o recurso apresentado pelo clube espanhol.

Neste recurso, o Atlético de Madrid alega que o período de suspensão não influenciaria em qualquer jogo da seleção da Inglaterra e deixaria apenas o próprio clube, sem culpa sobre o caso, prejudicado com a ausência do jogador. Com a decisão, o lateral está disponível para atuar pelos colchoneros até que a entidade analise o apelo pela diminuição da pena.

Tudo aconteceu em 2018, quando Trippier apostou, de forma indireta, na sua transferência do Tottenham para o Atlético de Madrid, ato que violou as regras de apostas feitas pela FA.

“Uma comissão reguladora independente foi nomeada para ouvir o caso, com quatro das supostas violações comprovadas e três rejeitadas durante uma audiência pessoal subsequente”, disse a FA ao anunciar a punição do jogador.

Caso o recurso seja negado, o Atlético de Madrid poderá recorrer na Corte Arbitral do Esporte (CAS), instância máxima da justiça desportiva.

Tanto o futebol, como o tênis e outros esportes estão se protegendo internamente. E a autorregulação é um caminho indispensável.

Importância da autorregulação do esporte

Em 2020, a autorregulação do esporte brasileiro deu passos tímidos, muito em função da pandemia. Mas a tendência é que esse processo seja acelerado em 2021.

O Fair Play Financeiro da CBF deve – enfim – sair do papel. O Licenciamento de Clubes deve ser aprimorado também.

Mesmo assim, iniciativas como  “Rating Integra”, proveniente do Pacto pelo Esporte, já mostraram como compromissos com Integridade atraem marcas dispostas a apoiar o desporto.

As entidades esportivas precisam entender que seus regulamentos não podem mais ser omissos em questões caras ao esporte. No caso da manipulação, essa autorregulação precisa proibir que jogadores, treinadores e árbitros sejam apostadores. Além disso, o trabalho de monitoramento, com o auxilio da ciência e tecnologia se tornam vitais para combater essas quadrilhas cada vez mais sofisticadas.

Claro que o Estado precisa atuar também no combate a corrupção e manipulação de resultados. Uma lei que tipifique corrupção privada no esporte como crime já seria um avanço gigantesco (olha o PL 68/17 que está no Senado). O projeto de Lei Geral do Esporte está nas mãos do Senador Roberto Rocha (PSDB/MA), relator do PL, e está parado desde 2018. O Senador Romário (Podemos/RJ) disse em entrevista ao Lei em Campo que irá retomar essa discussão necessária ao esporte em 2021.

Em função da necessária autonomia que tem, o esporte também precisa investir nessa autorregulação.

Assim como o tênis, o futebol, o vôlei, o basquete… precisam se proteger da manipulação de resultados, garantindo algo que é a essência de todo e qualquer esporte: uma disputa limpa e igual.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.