O culpado não é o fotógrafo

Por Alberto Lopes Franco

O final de semana futebolístico teve contornos dramáticos de causar inveja em roteiristas de Holywood, dentro e fora de campo. Vamos abordar os recentes episódios que culminaram na partida entre Palmeiras e Flamengo, sob a ótica do Sistema de Gestão de Compliance, especificamente do gerenciamento de riscos.

Os fatos dão conta, conforme matéria publicada pelo jornal O Globo[1],  que o Flamengo tinha algumas alternativas de logística na viagem ao Equador. Poderia ter viajado,  jogado a partida, voltado ao Brasil e novamente retornado ao país sul americano para participar do segundo jogo; ou poderia ter feito o que fez: permanecer 8 dias no Equador e jogar as duas partidas, incluindo aí viagens internas naquele país.

Conforme a matéria, fontes do clube admitiram  que a decisão de permanecer oito dias no país acabou por abrir brecha para a contaminação em massa na delegação.  O abrandamento do protocolo sanitário facilitou a contaminação pela COVID-19 em 16 atletas e 27 funcionários. A decisão do clube passou por assumir riscos.

Compliance não é só estar em conformidade com as regras. Compliance é, também, mas não exclusivamente, ter procedimentos internos de análise de riscos e como trata-los.  “Risco: é evento futuro identificado, ao qual é possível associar uma distribuição de probabilidades de ocorrência. [2].”

Um dos pilares de um sistema de gestão de compliance é o gerenciamento de  riscos, isto é,  “ um processo conduzido em uma organização pelo conselho de administração, diretoria e demais empregados, aplicado no estabelecimento de estratégias, formuladas para identificar em toda a organização eventos em potencial, capazes de afetá-la, e administrar os riscos de modo a mantê-los compatível com o apetite a risco da organização e possibilitar garantia razoável do cumprimento dos seus objetivos[3].”

Os riscos podem ser evitados, mitigados, transferidos/compartilhados ou simplesmente aceitos, conforme o apetite a eles definido na organização. Desse modo, vamos abordar quatro hipóteses genéricas e depois vamos analisar o caso em si.

Na primeira hipótese, quando há uma baixa probabilidade  de ocorrer um evento e, em ocorrendo, ocorrerá um baixo impacto. O que fazer? A melhor técnica sugere que o risco seja  aceito e a organização lide com os resultados.

Na segunda hipótese, há uma alta probabilidade de ocorrer o evento, mas o impacto continua sendo baixo. Aqui, não se faz nada.

A terceira hipótese é quando há baixa probabilidade de ocorrer o evento, mas se ocorrer gerará um alto impacto. Nesse caso, o risco deve ser controlado pela organização.

Por fim, quando há média probabilidade de ocorrer o evento e há um alto impacto, a organização deve controlar ou transferir o risco.

Apresentadas essas bases, ou o clube gerenciou o risco de contaminação da COVID19 de modo inadequado ou sua disposição a enfrenta-los era enorme. Ainda que fosse baixa a probabilidade de contaminação, o impacto seria alto, devendo o clube ter adotado medidas para controlar o risco de contaminação. Ao invés disso, a entidade aumentou seu apetite e a consequência sanitária foi um desastre.

O clube da Gávea sabia, desde o início da semana, dos casos de contaminação. Poderia ter inscrito mais 6 atletas, mas, em uma espécie de nulidade de algibeira, ingressou medida cautelar inominada na sexta-feira, às vésperas do confronto. A medida restou indeferida a medida pelo STJD[4] através de decisão da lavra do Presidente Dr. Otávio Noronha.

Para agravar, o ingresso na justiça comum pelo sindicato, presidido por um funcionário do clube da gávea, criou um embate jurídico que colocou em risco todo o sistema jurídico desportivo. Não fosse a decisão do TST, estaríamos diante de um caso com consequências legais desportivas altamente danosas ao clube carioca, cujos riscos não foram adequadamente dimensionados. Pior situação estaria o Flamengo diante da decisão do TRT. Ou seria excluído da competição pelo STJD ou teria de pagar multa de R$ 12 milhões por descumprir a decisão.

O clube corria o sério risco de ser excluído do campeonato Brasileiro, com base no art. 231 do CBJD, no art. 116 do O Regulamento Geral de Competições de 2020 da CBF e art.59.2 dos Estatutos da FIFA, caso a partida não ocorresse em virtude da decisão da Justiça Comum. Esse risco desportivo certamente foi informado.

Interessante notar que a direção do clube não tentou impedir, desautorizar ou sequer  manifestou-se publicamente contrariamente à ação proposta pelo Sindeclubes.

O que se verifica é que a ausência de um Sistema de Gestão de Compliance nos clubes de futebol escancara a falta de métodos das entidades esportivas (sejam de prática ou de administração) para gestão de riscos.

No fim, quando fomos assistir ao jogo, a mágica do futebol (ou seriam os competentes profissionais da base do Flamengo?) entrou em campo e a base, sempre ela, salvou o clube encerrando o episódio com heróis, tal qual aqueles filmes que os espectadores ficam com os olhos rasos d’água com heróis imprevisíveis.

Ah, para finalizar, quando ocorrem situações como a do Flamengo, é possível identificar o responsável pela gestão do risco específico e aplicar a sanção interna estabelecida em caso de falha. E com toda a certeza não é o fotógrafo o culpado. No plano dos Tribunais Esportivos, a repercussão só está começando e deverá haver punição adequada aos infratores.

……….

[1] https://oglobo.globo.com/esportes/entenda-como-flamengo-afrouxou-protocolo-no-equador-gerou-surto-de-covid-19-24656788 <consulta em 28/09/2020>

[2] M. Faber, R. Manstetten e J. Proops, Ecological Economics: Concepts and Methods, 1996, pp. 209-211

[3] https://www.coso.org/Documents/COSO-ERM-Executive-Summary-Portuguese.pdf <consulta em 28/09/2020>

[4] https://www.stjd.org.br/noticias/presidente-indeferiu-pedido-de-adiamento-do-fla <consulta em 28/10/2020>

……….

Alberto Lopes Franco é procurador-geral do Futebol de Campo da FGF, auditor Líder de Sistema de Gestão de Compliance e Antissuborno – ISO 37001:2017 e ISO 19600:2014.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.