O escândalo do vazamento da transmissão sem delay

Ontem, 5 de novembro, o jornalista Chandy Teixeira revelou em seu blog um esquema irregular, apelidado de “telamento”, que coloca em cheque a integridade da competição LBFF – Liga Brasileira de Free Fire e de seus resultados.

O esquema era baseado no compartilhamento de um link que dava acesso à transmissão da competição em tempo real para algumas equipes que estavam participando da partida.

À primeira vista, para aqueles que desconhecem a forma como as competições de esporte eletrônicos funciona não há problemas em ter acesso à transmissão de um jogo, afinal a equipe beneficiada pelo esquema também estava naquela partida.

No eSport Legal de hoje abordaremos o porquê “telar” garante vantagem indevida no esporte eletrônico.

A importância da informação no esporte eletrônico

Na grande maioria dos jogos eletrônicos praticados como esporte, o jogador possui um ponto de vista limitado da “arena”.

Isso significa que o jogador de um time não possui acesso às informações do outro time.

Informações como o posicionamento do inimigo e quais recursos ele possui (como armas, habilidades disponíveis, entre outros) são vitais para vitória no esporte eletrônico. É possível dizer que obter informação é o ponto central das estratégias na grande maioria das modalidades de esporte eletrônico.

Por exemplo: se um jogador do gênero tiro em primeira pessoa (FPS) sabe onde o seu oponente está, ele saberá exatamente onde manter a sua mira para, quando tiver contato visual com o oponente, atirar. Um time ter esse tipo de informação no FPS, na teoria, garante que ele será vitorioso.

O Free Fire, além de ser um jogo de tiro, é também um battle royale, o que significa que diversas equipes caem de paraquedas em uma ilha e o último a sobreviver vence (muito parecido com os filmes da franquia Jogos Vorazes). Tendo a informação de onde as outras equipes estão e quais os recursos que elas possuem, o time que recebe as informações por meios irregulares poderá se antecipar. Isso garante uma vantagem indevida gigantesca

O que é “telar”?

O termo “telar” surgiu nas lan-houses brasileiras.

Como os jogadores em uma lan-house ficavam enfileirados e os times eram definidos de forma aleatória, era comum que um jogador que estava do seu lado acabasse caindo no time inimigo. Aproveitando-se dessa situação, alguns jogadores tentavam enxergar o que se passava na tela do vizinho para obter informações de forma irregular, daí surge o termo “telar”.

Por isso o esquema irregular revelado foi apelidado de esquema do “telamento”.

Transmissões de Competições Online

Mesmo antes da pandemia, era comum que competições fossem realizadas na modalidade online, ou seja, os jogadores competem de forma remota.

Na modalidade online, é possível que cada jogador esteja em sua casa, mas é comum que os jogadores sejam reunidos em um mesmo espaço físico, como em uma Gaming House ou Gaming Office.

A maior parte das competições de esporte eletrônico possuem pelo menos alguma fase na modalidade online, como a fase de classificação ou de grupos.

A transmissão das partidas, nesses casos, geralmente acontece com um atraso e não “ao vivo”. Isso acontece principalmente para que as equipes que estão competindo não consigam telar, ou seja, ver em tempo real o que a equipe inimiga está fazendo no jogo.

O vazamento do feed de transmissão ao vivo

O ideal é que o menor número de pessoas possível tenha acesso à transmissão ao vivo da partida, pois além de vantagens irregulares na competição, o vazamento do feed ao vivo pode fazer com que alguns indivíduos tenham vantagem em apostas esportivas.

No caso do esquema do telamento, noticiado ontem, alguns times tiveram acesso ao link do youtube onde estava sendo transmitida as partidas ao vivo. O link originalmente era compartilhado com a equipe transmissão (narradores, comentaristas, etc), que repassava para membros dos clubes.

No entendimento do autor, não havia necessidade de a equipe ter acesso ao feed ao vivo, já que a transmissão final a que o público em geral tinha acesso era atrasado posteriormente de qualquer forma.

O alto escalão da organização da competição poderia garantir acesso à transmissão já atrasada para que fosse narrada e transmitir a narração ao vivo, por exemplo.

No entanto, o atraso na transmissão não é o único mecanismo de controle do telamento ou da integridade da competição e isso compreende outra falha da organização da LBFF.

Controle da Integridade de Competições Online

É normal que os regulamentos de competições online possuam uma série de regras para evitar que condutas irregulares aconteçam durante a sua realização.

A regra mais comum é: jogadores devem se conectar por voz e vídeo com a organização da competição antes da partida começar para possibilitar que a voz e vídeo do jogador sejam monitorados pela organização da competição a todo momento. Compartilhamento da tela do dispositivo de jogadores fazem parte de alguns regulamentos também.

Alguns regulamentos exigem também que todos os jogadores estejam reunidos em um só lugar e que um feed de vídeo do local onde estão seja mantido durante toda a partida.

Essas simples medidas já seriam suficientes para coibir o esquema do telamento, pois mesmo que o time tivesse acesso ao feed ao vivo, dificilmente conseguiriam utilizá-lo.

Crédito imagem: Divulgação/Garena

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.