O extracampo

O início da semana foi marcado por atos de jogadores que repercutiram nas redes sociais e veículos de comunicação e acabaram tirando o sono de dirigentes e torcedores do Atlético-MG e do Internacional.

Em meio a pandemia que já matou milhões de pessoas e vem fazendo com que os times brasileiros sofram com desfalques nos campeonatos que disputam (em razão de do contagio da Covid em atletas), dois jogadores do Atlético Mineiro, Marrony e Dylan Borrero, foram vistos em uma festa no último domingo. Alguns torcedores uniformizados, após tomarem conhecimento disso, foram até a boate, e pediram esclarecimentos pela atitude inconsequente.

Nas últimas semanas, o próprio Atlético acabou sendo prejudicado por não poder contar com 11 atletas e alguns membros da comissão técnica por terem sido contaminados com o vírus. A diretoria do clube de BH disse que resolveria internamente a conduta dos jogadores.

Já no lado colorado o problema foi mais sério. Matheus Monteiro e Luiz Vinicios, jogadores da categoria sub-20, acabaram sofrendo a rescisão de seus contratos com o clube em decorrência de um vídeo que círculos na internet na última segunda.

O vídeo que viralizou e causou indignação de muitos torcedores, em especial da torcida feminina do clube gaúcho, é do atleta Luiz Vinícius filmando o colega de time, Matheus, falando que havia drogado uma mulher, sem que ela percebesse, em uma boate. O vídeo é cortado na hora que jogador continuaria a dizer o que houve na sequencia.

Infelizmente, como é sabido por todos, o futebol brasileiro ainda está longe de ter programas de integridade estruturados e com mecanismos internos que protejam de fato clube e grupo de situações como essas. Esses programas possuem ferramentas que orientam condutas e punem a falta de disciplina.

A legislação dos atletas profissionais, Lei Pelé (Lei 9.615/98), prevê, no §4º do artigo 28, que a legislação trabalhista poderá preencher a lacuna da lei específica, ressalvadas as peculiaridades previstas na legislação dos esportistas. Ou seja, havendo lacuna na lei especial, a CLT (Consolidação das Lei do Trabalho) será aplicada.

Esse é o caso em tela.

O artigo 444 da CLT permite que o empregador estabeleça livremente com o empregado as cláusulas do contrato de trabalho e as regras a serem seguidas, desde que não estejam em desacordo com as disposições de proteção do trabalho, os contratos coletivos e as decisões das autoridades judiciárias competentes.

Portanto, os clubes podem exercer seu poder diretivo, criar códigos internos que visem boas práticas e disciplinar as relações das pessoas com a empresa, dando, também, uma resposta aos seus torcedores. Mas tão importante quanto “poder fazer”, é “querer fazer”.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.