O mundo mágico de Walt Disney

Walt Disney World é o local de entretenimento mais visitado em todo o mundo e que se encontra situado na Flórida, Estados Unidos. Ele compreende inúmeros parques e resorts temáticos, sendo considerado a terra da magia, onde o mundo dos sonhos se torna realidade.

Lá vive o Mickey, o Pato Donald e o Pateta, dentre outros personagens famosos. Outro elemento que poderia integrar esse mundo é o legislador brasileiro. Vira e mexe, ele cria um mundo fictício, supondo que o Brasil vive num ambiente completamente fora de sua realidade.

Veja-se, a propósito, o que aconteceu com a recentíssima lei nº 14.073, de 14 de outubro de 2020, que alterou a Lei Pelé, para assegurar votação não presencial para as eleições dos clubes de futebol.

 A insensibilidade do legislador foi muito grande. Embora no futuro a tecnologia poderá avançar para que tenhamos escrutínios eletrônicos como algo absolutamente normal, o fato é que hoje ainda não há como dar-se total segurança ao sistema, tanto é que nem mesmo nas eleições de nosso país este processo foi implementado.

Aliás, essa inovação legislativa é curiosa, porque como ainda não há garantia de que o sistema de votação on-line seja totalmente resistente a adulterações, temos uma contradição dentro da própria lei, uma vez que ela própria diz que o sistema eleitoral deve ser imune à fraude…

Nosso legislador também parece desconhecer a realidade organizacional dos clubes brasileiros, uma vez que sequer previu um prazo para que eles pudessem se adaptar a essa mudança.

Com efeito, ele determinou que a lei entrasse em vigor na data de sua publicação, sem estipular a chamada “Vacatio Legis”, que é o lapso temporal que medeia a publicação da lei e o momento em que ela passa a valer em nosso país.

A lei, ao impor esse tipo de votação de forma imediata, sem dar qualquer tempo para que as equipes pudessem se organizar é um absurdo sem tamanho. A automação do cadastro de associados não é tarefa simples e muito menos rápida de ser feita. Some-se a isso o fato de que deve ser observada a Lei Geral de Proteção de dados, o que exige um trabalho muito mais meticuloso do clube no armazenamento e utilização dos dados dos associados para realização de eleições.

O parlamentar brasileiro igualmente aparenta ignorar que eleição à distância implica em gastos com modernização interna, contratação de empresas para a realização do escrutínio etc., sendo que 99,9% dos times brasileiros são paupérrimos. Como é que se poderá exigir que times de segunda e terceira divisão por exemplo, implementem esse tipo de processo?

Nestas condições, sem fazer qualquer distinção entre as agremiações esportivas, sem atentar para a necessidade de que elas tenham um prazo para se adaptar às mudanças e por ignorar como realmente são os clubes brasileiros, a lei criou um verdadeiro mundo de ilusão.

Um lugar onde basta fazer uma lei, que tudo se transforma.

Um ambiente completamente alheio à vida real.

O verdadeiro mundo mágico de Walt Disney.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.