O mundo paralelo do futebol e as ruas de Barranquilla

Quantas vezes já ouvimos e dissemos a expressão “o futebol é um mundo paralelo”? A expressão é verdadeira. Os valores praticados no mercado do futebol não são os mesmos fora dele. Há aspectos culturais bem típicos do mundo do futebol. A expressão é verdadeira porque também é o mundo paralelo das emoções. É o mundo da paixão cega, inexplicável, bonita. Que une gente tão diferente num só grito de gol, num abraço caloroso. Que tira o peso dos problemas dos ombros e te coloca numa redoma onde nada mais importa, pelo menos por 90 minutinhos. É sim um mundo paralelo; a expressão é verdadeira.

E ao mesmo tempo a expressão é falsa. Não, o futebol não acontece num mundo paralelo; ele acontece no nosso mundo. Nosso mundo de alegrias e de tristezas, de paz e de conflitos. No nosso mundo binário de direita e esquerda. O futebol não está imune nem isolado de nada disso.

Na quinta-feira, dia 13 de maio, o futebol aconteceu em Barranquilla. A partida entre América de Cali e Atlético-MG pela Copa Libertadores da América aconteceu em meio a protestos. Naquele dia o gás lacrimogênio invadiu o mundo paralelo do futebol e interrompeu a partida que não deveria nem ter começado. Mas começou, interrompeu, continuou, finalizou.

O mundo que acontecia nas ruas de Barranquilla – de Bogotá, de Armenia e de outras cidades colombianas – refletia naquele momento a insatisfação de significativa parte da população colombiana com as medidas do presidente. A cidade que sediava o futebol naquela noite também sediava manifestações sociais. E talvez não houvesse espaço para os dois.

Não é a primeira vez que algo parecido acontece, nem será a última. No Manual de Clubes da Libertadores 2021, a CONMEBOL delineia recomendações para a interrupção ou suspensão de partidas quando há algum fator que enseja tais medidas. O documento prevê que a “interrupção, suspensão e abandono do campo de jogo ou cancelamento da partida são o último recurso possível e somente poderão ocorrer quando houver uma ameaça clara e iminente à segurança dos jogadores, oficiais e/ou público. ”

De acordo com o documento, em caso de não haver condições mínimas de jogo, o árbitro deve interromper a partida e o Delegado da Partida deve avaliar a situação identificada e consultar o grupo de gestão de crise para definir se é caso de interrupção (quando o Delegado e os envolvidos no grupo de gestão de crise acreditam que, em um espaço curto de tempo – normalmente até 45 minutos-, a situação pode ser controlada e a partida pode ser recomeçada e concluída) ou suspensão (quando o Delegado e os envolvidos no grupo de gestão de crise acreditam que não será possível, em um curto espaço de tempo, controlar a situação para começar ou recomeçar a partida de forma que seja concluída com segurança).

Em caso de suspensão da partida ou interrupção por motivo de força maior ou risco iminente, depois de seu início, a partida deve ser recomeçada com o mesmo placar e no mesmo minuto em que tenha sido interrompida ou suspensa.

Talvez o futebol tivesse que ter dado lugar ao mundo das ruas de Barranquilla. Não só por Barranquilla, mas também pelo próprio futebol. Pela saúde dos que tocam o espetáculo, pela integridade da própria competição.

Cumpre-se seu papel social e protege-se os seus.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.