O negócio do futebol como forma de reabilitação de criminosos

E se a indústria do futebol se unisse para auxiliar a sociedade de alguma forma? Que o futebol tira muita gente da pobreza e traz para o mundo do glamour (mesmo que temporário), não temos dúvida. Mas e se a influência de que o esporte mais popular do mundo goza fosse utilizada para o bem comum?

Utopia ou não, é o que o Twinning Project visa na Inglaterra. Com o desafio de auxiliar a reabilitação de criminosos com o oferecimento de alternativas para conseguirem emprego depois de cumprirem suas penas, esse projeto conseguiu que 32 clubes ingleses comprassem a ideia, que é patrocinada pela Football Association, Premier League, English Football League e Her Majesty’s Prison & Probation Service.

Na Inglaterra, estatísticas mostram que, entre adultos, 63% cometem novos crimes em até 12 meses após serem soltos. E 83% saem da prisão sem emprego. Portanto, a correlação entre emprego e reincidência nos parece clara.

Esse projeto, idealizado por David Dein, ex-vice-presidente do Arsenal Football Club, conta também com o endosso de Arsene Wenger, técnico do clube entre 1996 e 2018, e tem como premissa oferecer cursos de técnico e árbitro de futebol para presidiários. Dein acredita que, se o projeto conseguir reabilitar pelo menos 20 presidiários, contribuirá para a economia de £ 700 mil dos cofres públicos.

Os primeiros cursos, previstos para o segundo semestre, terão um período de 12 semanas de duração.

Esse projeto, no mínimo, traz para o conforto dos nossos lares o debate sobre a população carcerária e formas de reabilitação dos presidiários. Segundo o censo oficial divulgado pelo governo britânico, até dezembro de 2018, a população carcerária do Reino Unido (composto pela ilha da Grã-Bretanha – ou seja, Inglaterra, Escócia e País de Gales – e pela Irlanda do Norte) ultrapassa 82 mil pessoas.

Tema polêmico e de difícil solução em todo e qualquer país do mundo, a reintegração de presidiários à sociedade não é obrigação de clubes de futebol. Ou será que é, tendo em vista serem parte da coletividade e/ou devido à influência que esse esporte tem?

De qualquer forma, a proposta do Twinning Project é louvável por qualquer ângulo de análise, porque provoca o debate sobre um tema de suma importância, com o potencial de inspirar gerações de novos futebolistas, dirigentes, torcedores e empresários (não só do mundo da bola), bem como outras organizações do esporte, a voltarem suas atenções a um tipo de caridade pouquíssimo visado: a da recuperação de adultos.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.