O novo desafio dos clubes ingleses nesta janela de transferências

Os clubes de futebol ingleses enfrentam o mais novo desafio durante esta que será a primeira janela de transferências pós Brexit.

Com o Brexit, os clubes não mais poderão contratar jogadores de nacionalidade comunitária (leia-se, de países pertencentes à União Europeia (UE)) pelas regras da UE relacionadas ao livre movimento de trabalhadores. Passa a ser exigido situação imigratória, com endosso da FA, da mesma forma como já era exigido dos jogadores de nacionalidade não comunitária.

Mas qual será o impacto do Brexit para a contratação de jovens jogadores? O Brexit significa que os clubes já não podem contratar jogadores da UE com idades entre os 16 e os 18 anos, como acontecia anteriormente por causa de uma exceção às regras da FIFA sobre a transferência internacional de atletas. Agora, um jogador da UE só pode ser contratado se tiver 18 anos ou mais (como já era o caso para os jogadores não comunitários). Os jogadores juvenis com idades entre 16 e 18 anos ainda podem se deslocar entre Inglaterra, Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales, após uma emenda aos regulamentos de transferência aprovados pela FIFA.

Segundo reportagem da BBC (mencionada pelo jornal inglês Independent), o diretor das categorias de base do Manchester United, Nick Cox, entende que as novas regras colocam os clubes britânicos em desvantagem em comparação com seus rivais europeus no recrutamento de jovens talentos.

Em teoria, há uma exceção à regra da idade. Clubes ingleses que têm uma parceria com uma equipe ainda na UE poderiam convencê-los a contratar jogadores sub-18 em seu nome, antes de se mudarem para a Inglaterra quando completarem 18 anos de idade. O tempo e a prática mostrarão se esta hipótese vai funcionar.

Além da limitação na contratação de menores comunitários, por causa da idade, os clubes só poderão contratar no máximo três jogadores sub-21 nesta janela de transferência. Porém, os clubes não poderão contratar mais do que seis desses jogadores em uma única temporada.

Mas qual será o impacto dessas mudanças no desenvolvimento de jovens talentos ingleses? A primeira coisa a dizer é que não haverá mudança na cota de jogadores locais em um plantel de 25 jogadores – o número continua sendo oito. A Premier League já advogava para um aumento ano após ano no número de jogadores locais para terem sua estreia na primeira divisão, mesmo antes da atual mudança de regras para os jogadores da UE com idade entre 16 e 18 anos.

Por outro lado, quanto aos jogadores que se mudam do Reino Unido para a UE, os menores de 18 anos estão impedidos de fazê-lo. Como exemplo, a transferência de Jude Bellingham, de 17 anos, de Birmingham para o Borussia Dortmund em julho do ano passado não poderia acontecer nas regras atuais. Os maiores de 18 anos estariam sujeitos às regras aplicáveis ​​a jogadores de fora da UE em qualquer país da UE para o qual pretendem se mudar.

Aviso Legal: este artigo tem caráter informativo e deve ser utilizado apenas para discussão, não podendo ser utilizado isoladamente para a tomada de decisões. Aconselhamento jurídico específico deve ser prestado por um advogado especializado em direito imigratório britânico.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.