O que torna o Ferroviária e o Corinthians os grandes campeões do cenário de futebol feminino do Brasil?

Por Heloisa Schmidt

Antes tema esquecido, a proibição do futebol feminino no Brasil através do Decreto-Lei nº 3.199/41agora é de grande conhecimento. Em 17 de abril de 2021, 80 anos (e 3 dias) após a proibição, começou a edição mais competitiva e mais vista do Campeonato Brasileiro Feminino desde seu início – em 2013.

A temporada 2020 (encerrada em 2021 pelos atrasos do COVID-19) marcou um ano de muitas conquistas na modalidade, deixando a devida – e necessária – atenção para os clubes paulistas e os títulos que têm empilhado.

Como lembrete, a América também foi brasileira nos últimos dois anos. Em 2019, o Corinthians (SP) garantiu a glória eterna e a Ferroviária (SP) ficou com o título brasileiro – com as duas finais sendo disputadas pela dupla paulista. A temporada 20/21 deixou evidente que esses dois clubes não deram sorte. Dessa vez, a Ferroviária foi campeã da América em cima das colombianas do América de Cali, enquanto o Corinthians conquistou o Brasil contra o Avaí/Kindermann (SC).

Os campeões de 2020 carregam a metade dos títulos do Campeonato Brasileiro, dois para cada. Com edições desde 2013, o Ferroviária garantiu o troféu em 2014 e 2019, já o Corinthians levantou a taça em 2018 e 2020. Além disso, dos 8 campeões, apenas um não é paulista – o Flamengo/Marinha foi campeão em 2016 e os paulistasCentro Olímpico (2013), Rio Preto (2015) e Santos (2017) completam a lista.

Para somar ao sucesso do futebol feminino paulista, dos 16 clubes do Campeonato Brasileiro Série A1 de 2021, 6 são do estado de São Paulo e enquanto os outros 10 se dividem entre 5 estados e o Distrito Federal.

O histórico recente do Campeonato Brasileiro Feminino tende a demonstrar dois pontos que merecem destaque – o segundo talvez o mais relevante no histórico brasileiro:

1) Paciência é uma virtude, mas muito esquecida no futebol: investimento gera visibilidade, e visibilidade gera retorno e os grandes campeões não surgiram da noite para o dia;
2) Preconceito com o futebol feminino: situação essa que surge com a proibição que perdurou por 40 anos e continuou com a falta de incentivo da modalidade.

Em primeiro plano, reconhece-se incompatível com a importância do tema um tratamento raso de cada ponto e, por isso, esse texto tratará apenas do tópico 1, deixando o segundo debate para um futuro próximo com o desenvolvimento merecido.

Dito isso, precisamos entender um pouco os projetos do futebol feminino do Corinthians e da Ferroviária.

Foi em 2017 que a CONMEBOL exigiu a existência de um time feminino em competições nacionais, a partir de 2019, para que os times masculinos disputassem a Copa Libertadores.

Mas o caso de sucesso da equipe feminina do Ferroviária não começou com o Brasileiro de 2014 ou com a Libertadores de 2015. O investimento da equipe do interior paulista começou em 2001 e, até hoje, investe na modalidade sem qualquer exigência, já que a equipe masculina não está na Libertadores e joga a Série D da sua modalidade.

A Ferroviária de Araraquara entendeu que o futebol feminino não depende ou interfere no masculino, tendo seu próprio espaço no meio esportivo e do entretenimento. Em 20 anos, o futebol feminino do clube acumulou 7 títulos profissionais em território brasileiro (Campeonato Paulista – 2002, 2004, 2005 e 2013; Copa do Brasil – 2014; e Brasileiro – 2014 e 2019), além das duas Libertadores.

Foi com o time da Ferroviária que Tatiele Silveira se tornou a primeira técnica mulher a conquistar um título nacional com o Brasileiro de 2019. O pioneirismo das técnicas mulheres continuou na Libertadores de 2020, com Lindsay Camila também como primeira técnica mulher campeã da competição.

Em Araraquara, as modalidades feminina e masculina não se dividem tanto. Por exemplo, o departamento médico, o marketing e o estádio são os mesmos. O recado do Ferroviária para os grandes times do futebol masculino brasileiro é simples: o futebol feminino não depende ou afeta o masculino, apenas exige investimento e confiança para garantia do sucesso.

Por sua vez, o Corinthians passou por um caminho mais rápido para o sucesso do futebol feminino. Em 2016 iniciou uma parceria com o Grêmio Osasco Audax, que já contava com uma equipe feminina, que durou dois anos e a conquista de uma Copa do Brasil (2016) e uma Libertadores (2017).

Com o resultado vitorioso, a equipe do Parque São Jorge, uma das camisas mais tradicionais do futebol brasileiro (em ambas as modalidades) e com a segunda maior torcida do país, decidiu que era o momento de garantir o seu próprio elenco.

Com uma excelente gestão do projeto da Diretora de Futebol Feminino, Cris Gambaré – que começou na parceria de 2016 –, e a manutenção do trabalho da comissão técnica de Arthur Elias, o projeto de futebol do Corinthians garante a hegemonia no cenário nacional.

Demonstrando que o esporte é um negócio e não uma obrigação, o Ferroviária garante a profissionalização de toda sua equipe feminina desde 2017. Já o Corinthians também contou com todas as atletas profissionais na temporada de 2020, garantindo o mesmo sistema nas modalidades masculina e feminina – com valores em suas devidas proporções.

Apesar do debate tratar dos campeões da temporada 2020, o excelente projeto de futebol feminino do Avaí/Kindermann, vice-campeão do Campeonato Brasileiro Feminino de 2020, também merece destaque.

Além disso, vale mencionar que o projeto de sucesso do Corinthians pressionou os rivais estaduais, Palmeiras, São Paulo e Santos (que já foi uma potência do futebol feminino brasileiro) a reforçarem as suas equipes femininas e garantindo a rivalidade – saudável – do futebol paulista em todas as modalidades.

Podemos compreender que o futebol feminino pode ser um case de sucesso e que o resultado do projeto pode ser longo, como o da Ferroviária, ou mais curto, como ocorreu com a equipe do Corinthians, mas que o investimento, um projeto bem estruturado, a confiança e o respeito com a modalidade são imprescindíveis para as conquistas.

Assim, a pergunta final – que será abordada em breveé “por que os grandes clubes não veem o futebol feminino como um projeto de sucesso?”

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Heloisa Schmidt F. Medeiros é advogada graduada em Direito pelo Ibmec RJ. Fundadora e Pesquisadora do Grupo de Estudos em Direito Desportivo – Ibmec RJ. Defensora Dativa do TJDAD. Certificada em Direito Desportivo pela PUC Rio, ESA RJ e FUTJur. Pós-graduanda em Direito Contratual e Responsabilidade Civil pela EBRADI/ESA SP.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.