O risco é só dos clubes

A Constituição Federal, em seu artigo 7º XXII, assegura ao trabalhador que ele trabalhe em condições reduzidas de riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança, cabendo ao empregador tal responsabilidade. Mas estariam trabalhando em segurança os atletas que voltarem agora às atividades em seus clubes aqui no Brasil?

O futebol no mundo está voltando às atividades. Espanha, Alemanha, Inglaterra, Itália, Portugal e muitos outros países da Europa já anunciaram que pretendem retomar suas competições no início de junho. Já no Brasil, Grêmio e Internacional já puderam voltar às atividades, mas em circunstâncias que ainda deixam muitos críticos e atletas com inseguros.

A Covid-19 paralisou o mundo, começando pela China, passando pela Europa e, em seguida, chegando na América, com uma diferença de aproximadamente um mês no pico da doença. Ou seja, tendo em vista que a Europa teve o seu pico de mortes em razão da pandemia em meados de abril, o Brasil está passando, nesse momento, pela fase mais crítica dessa doença.

Como poderia o futebol brasileiro voltar as atividades de maneira segura se estamos passando agora pelo pico da Covid no país? O pico, no velho continente foi em meados de abril, ou seja, a um mês atrás.

Ninguém tem a resposta se será 100% seguro para os atletas e suas famílias esse retorno às atividades agora, mas o que precisa ser analisado é quem se responsabilizará em caso de algum atleta ou familiar acabar contaminado.

Os clubes, como empregadores, precisam não só se preparar ao retorno das atividades com todo o protocolo de segurança e com apenas 25% de sua força de trabalho (casos de Inter e Grêmio que, por decisão do estado do RS, seguem a regra regional), mas também juridicamente.

De nada adianta o clube seguir todas as recomendações se os atletas, dentro ou fora da estrutura do clube, não levarem a sério essas orientações e quebrarem esses protocolos sanitários. Os atletas precisam assumir os riscos, em casos de inobservância das regras sanitárias, não tentarem responsabilizar os seus empregadores.

Políticas internas são mecanismos que visam proteger a instituição e criar barreiras para que, em eventuais complicações com seus colaboradores, nem o grupo nem o clube sejam prejudicados. São ferramentas que orientam e punem eventual falta de disciplina.

A legislação dos atletas profissionais, Lei Pelé (Lei 9.615/98), prevê, no §4º do artigo 28, que a legislação trabalhista poderá preencher a lacuna da lei específica, ressalvadas as peculiaridades previstas na legislação dos esportistas. Ou seja, havendo lacuna na lei especial, a CLT (Consolidação das Lei do Trabalho) será aplicada.

Esse é exatamente o caso.

O artigo 444 da CLT permite que o empregador estabeleça livremente com o empregado as cláusulas do contrato de trabalho e as regras a serem seguidas, desde que não estejam em desacordo com as disposições de proteção do trabalho, os contratos coletivos e as decisões das autoridades judiciárias competentes.

Portanto, os clubes podem (devem) exercer seu poder diretivo, criar códigos internos que visem boas práticas, segurança, saúde, e disciplinar as relações das pessoas com a instituição.

Estamos passando por uma fase em que o torcedor quer assistir, o patrocinador quer resultado, os clubes querem voltar às atividades e os atletas fazer o que mais gostam, jogar futebol, mas todos precisam ter a consciência e a responsabilidade de que o retorno precisará de muita atenção, bom senso e organização para o bem de todos.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.