O risco Profut

Um dos assuntos que tomaram conta dos noticiários futebolísticos em 2018 foi o quanto os clubes de futebol brasileiro estavam correndo riscos de não conseguir cumprir seus compromissos com o Profut e as consequências de serem excluídos desse programa.

Mas o que é esse programa e o que os clubes de futebol têm a perder se forem excluídos dele? No Por Dentro da Lei de hoje, vamos falar da Lei 13.155/2015, também conhecida como Profut.

O programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro, ou simplesmente Profut, entrou vigor em 2015 para instituir um parcelamento especial aos clubes de futebol para recuperação de dívidas com o governo federal. O programa prevê ainda a criação do APFUT (Autoridade Pública de Governança do Futebol), órgão que fiscalizará as obrigações dos clubes aderentes e estabelecerá princípios e práticas de responsabilidade fiscal e gestão transparente e profissional.

Para que o clube possa se beneficiar do parcelamento de dívidas, o Profut requer a apresentação do estatuto social da agremiação, os demonstrativos financeiro e contábil e a relação de operações de receitas antecipadas. Ainda, precisa comprometer-se com os seguintes itens:

i) Manter obrigações trabalhistas e tributárias federais em dia;
ii) Manter, por no máximo quatro anos, o mandato de presidentes ou dirigentes, com a possibilidade de reeleição;
iii) Ter um conselho fiscal autônomo;
iv) Proibir a antecipação de receitas além do período do mandato;
v) Reduzir seu déficit conforme a lei determinar;
vi) Publicar seus demonstrativos contábeis;
vii) Prever no estatuto que dirigentes com gestão temerária serão afastados por no mínimo cinco anos e;
viii) Fazer a manutenção de investimentos na formação das categorias de base e do futebol feminino.

Esse compromisso firmado com a União possibilitou que a grande maioria dos clubes brasileiros tivesse suas dívidas parceladas. O prazo estabelecido é de até 240 vezes (20 anos), com redução de 70% das multas, 40% dos juros e 100% dos encargos legais. Vale lembrar que os clubes ainda terão descontos nos cinco primeiros anos do parcelamento.

O Profut trouxe fôlego aos clubes, possibilitando um fluxo de caixa maior, dando às instituições chances de reformas, contratações, aprimoramentos em tecnologias etc.

Entretanto, se a autoridade competente por fiscalizar os balanços verificar irregularidades nas instituições, ela inicia o procedimento administrativo contra o clube que descumpriu os compromissos legais assumidos na sua adesão. Caso sejam constatadas irregularidades, dar-se-á início a um processo que pode levar à exclusão do clube do benefício.

Pois bem, essa é a razão de toda a repercussão que tivemos em 2018. Alguns clubes com grandes dificuldades financeiras estão em vias de ser excluídos, inclusive os da série A do campeonato nacional. Caso sejam cancelados os benefícios por descumprimento das regras, será apurado o valor original do débito e seus acréscimos legais na época da adesão, deduzidos os valores já pagos. Com a perda do benefício do parcelamento e descontos, o clube terá sua dívida atualizada e cobrada, acumulada, no seu trâmite original.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.