O terceiro colocado

A pressão sobre Boca Juniors e River Plate, os times finalistas da Copa Libertadores de 2018, está grande. Inclusive ameaçaram não jogar a final, marcada para Madri. Mesmo após ameaças, acabaram viajando para a capital espanhola.

E se, por todos os problemas já conhecidos por todos, River Plate e Boca Juniors se negassem a disputar o Mundial de Clubes organizado pela FIFA, o evento não teria a participação de um sul-americano na final?

No Por dentro da lei de hoje, vamos analisar o que aconteceria nessa situação e o que prevê o regulamento da Conmebol Libertadores deste ano.

O artigo 14 do regulamento da Libertadores prevê que, se nem o primeiro nem o segundo colocados participarem do Mundial de Clubes e Copa Intercontinental, por desistência ou qualquer outra razão, o terceiro colocado na classificação geral da competição seria o representante.

Os primeiros e segundos colocados que desistissem de participar dos eventos acima citados ainda ficariam impedidos de disputar Libertadores ou qualquer outro evento organizado pela Conmebol pelas cinco edições seguintes.

Entretanto, a lacuna da regra abre uma discussão no mínimo interessante. A classificação geral mencionada pelo artigo 14 considera ou não a fase do mata-mata? Gremistas dizem que sim, pois o time gaúcho ocupa a terceira posição; porém, os palmeirenses entendem que não se pode considerar a fase eliminatória, apenas a fase de grupos, pois o time paulista finalizou a primeira fase com a melhor campanha. Mais uma confusão.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.