O véu da hipocrisia

No período em que ocorreram os jogos olímpicos na Grécia Antiga, era proibido que mulheres assistissem às competições, conforme relata o historiador Pausânias (115 – 190 d.C.):

“Qualquer mulher que assistisse aos jogos, ou mesmo cruzasse o rio Alpheios nos dias em que os jogos estivessem sendo realizados, poderia ser lançada pelos Elidenses do alto dos precipícios rochosos do monte Typaion.”

Um fato histórico comprova o relato de Pausânias.  A viúva Kallipateira decide treinar o filho Peisirodos e levá-lo a Olimpia para competir. Disfarçou-se de instrutor masculino para entrar no estádio e viu a vitória de seu filho. Na comemoração, deixou cair o véu, mostrando a todos que era uma mulher. Foi poupada apenas por respeito a Peisirodos que se sagrara campeão olímpico, honra que erigia o ser humano ao patamar de Semideus.

Milênios se passaram e o mesmo tema se repete com impressionante semelhança. Recentemente, Sahar Khodayari desafiou a regra que proíbe mulheres nos estádios de futebol do Irã e utilizou a mesma estratégia de Kallipateira, mas seu destino infelizmente foi diferente.

Abandonando o véu islâmico e disfarçando-se de homem, ela tentou entrar num estádio para assistir à partida entre Esteghlal e al-Ain, mas foi reconhecida e presa. Ao enfrentar o Tribunal Revolucionário Islâmico de Teerã que lhe poderia impor a pena de reclusão de seis meses, Sahar é tomada pelo desespero, decide atear fogo ao próprio corpo e morre.

O caso de Sahar fez com que a FIFA se mexesse. Sob o fundamento de que seu estatuto afirma o compromisso da entidade com os direitos humanos, ela começou a pressionar a federação iraniana para permitir que mulheres frequentem estádios de futebol.

A FIFA foi inteligente. Para não tentar impor suas normas estatutárias que não tem valor no direito internacional, usa o manto dos direitos humanos, que possuem valor universal e que requerem a sua aplicação em qualquer canto do mundo. E a Declaração Universal dos Direitos Humanos, documento jurídico mais importante do planeta terra, não esconde a sua missão de igualar direitos entre homens e mulheres.

O poder iraniano, para fugir do âmbito jurídico, busca legitimar seu proceder por detrás do véu da religião. Refugiados sob a burca do islamismo, eles deram ao Alcorão uma interpretação ao seu feitio, alegando que o texto sagrado apregoa a desigualdade entre sexos e que ambos possuem papéis sociais bem definidos.

Ocorre que essa justificativa não é alcorânica, mas cultural e social. Basta reparar que vários capítulos do Alcorão, que sugerem a igualdade de gênero, foram renegados por quem deseja manipular a religião para fins políticos, como por exemplo, em Aya 71 sura 9 (al-Tawbah) “Os crentes, masculino e feminino, são protetores (‘awliyya) um do outro”.

Tanto isso é verdade que países muçulmanos como Turquia, Tunísia, Argélia, Síria e Líbano tratam as mulheres de maneira muito diferente do que Afeganistão, Paquistão, Irã e Arábia Saudita. Aliás, este último acabou por permitir a frequência feminina em arenas esportivas, embora mantenha absurdos como a pena de apedrejamento por adultério.

Mas tão preocupante quanto as barbaridades cometidas por extremistas do oriente é a reação dos hipócritas do ocidente que começaram a atirar pedras, ignorando seus próprios crimes contra as mulheres ao longo da história.

Tentando tapar com um lenço a advertência do homem de Nazaré de que só deverá atirar a primeira pedra aquele que estiver sem pecado, acabam deixando descoberta a trave que possuem em seus olhos, ao só repararem no cisco que enxergaram nos seus semelhantes.

A começar pelo incômodo fato, que poucos sabem, de que os fundamentalistas criaram sua narrativa discriminatória, não propriamente do Alcorão, mas a partir de textos ocidentais que ocultavam o preconceito contra as mulheres em supostas bases filosóficas e científicas.

Na filosofia, ainda na época de Kallipateira, Aristóteles em “A política” afirma que “a natureza subordinou um dos dois animais ao outro. Em todas as espécies, o macho é evidentemente superior à fêmea: a espécie humana não é exceção”.

A crença aristotélica atravessa os séculos e encontra na idade média a figura de São Tomas de Aquino, para quem “A mulher está submetida ao homem pela fraqueza de seu espírito e de seu corpo… É um ser incompleto, um tipo de homem imperfeito”.

Precisamente nesse período, quando Igreja e Estado quase foram um só, (de forma muito parecida com o que se vê hoje no Irã) os resultados não foram muitos diferentes, pois no periodo da inquisição foram levadas à fogueira mais de cem mil mulheres na denominada “caça às bruxas”, numa monstruosa barbárie engendrada pelo Santo Ofício.

Ícones de suas áreas como Charles Darwin e Sigmund Freud também usaram a ciência para camuflarem seu preconceito. Enquanto Darwin disse que “a diferença fundamental entre as faculdades intelectuais de ambos os sexos é sempre superior no homem que na mulher”, Freud surge com a teoria da inveja do Pênis, inferiorizando nitidamente o sexo feminino.

Na verdade, nenhuma dessas teorias restou provada pela ciência e nada mais eram do que túnicas que dissimulavam o preconceito do ocidente contra a mulher, gerando tantas discriminações que vemos até hoje, sufocadas por leis cada vez menos tolerantes com a violência contra a mulher.

Mas não raro a cobertura de verniz não suporta a pressão e a discriminação explode em assédios, crimes sexuais de todo tipo e na epidemia do feminicidio, que só no Brasil mata mais mulheres do que todos os países “extremistas” juntos…

O fato é que se levantar a cortina ninguém escapa. Até mesmo os EUA, que se gabam de sua defesa da liberdade e dos direitos humanos, não ratificaram até hoje o “Tratado Internacional Sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra as Mulheres” da ONU de 1979, coincidentemente no mesmo ano da revolução islâmica iraniana…

Seria bom que todos os países vestissem a sua própria carapuça e olhassem bem para dentro de si mesmos, antes de tentarem resolver as mazelas dos outros e lembrassem da advertência de Swami Paatra Shankara: “A quantidade de pedras que tem para atirar nos outros coincide com a máscara e a hipocrisia inerentes”.

Pois se o véu islâmico pode escamotear ditaduras que oprimem as mulheres, o véu do Ocidente esconde um dos males mais difíceis de se combater:

A hipocrisia.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.