Obrigado, Hamilton! Pelo que fez no domingo e tem feito sempre

Prepare-se para uma verdade indiscutível: esporte não se separa da vida. Ele é uma manifestação cultural, presente no dia a dia de todos. Resumir esporte aos limites do campo, da quadra, ou da pista é não entender o verdadeiro o tamanho que ele tem. Lewis Hamilton

No último domingo (14), ao vencer o GP Brasil de F1 e abraçar a bandeira brasileira, o piloto inglês fez mais do que uma homenagem a Airton Senna. O gesto que emocionou o Brasil é repleto de simbolismo.

Primeiro, ele resgata um símbolo que é de todos os brasileiros. A bandeira verde, amarela, branca e azul é de todas as cores, raças e orientações. Segundo, pelo personagem que é, Hamilton mostra mais uma vez que esporte e política nunca se separam.

E não se fala aqui da política de maneira restrita, partidária. Mas se fala da política de maneira ampla, como postura social. A política na linha do pensamento de Aristóteles, essencialmente unida à moral, porque o fim último tem que ser a virtude, isto é, a formação moral dos cidadãos.

Hamilton é um dos principais atores do esporte na defesa de direitos humanos. Luta permanentemente por igualdade, combatendo todo tipo de preconceito. Levanta sem freios a bandeira que é a do esporte. Afinal, direitos humanos não se separam do movimento esportivo. Pelo contrário, são um auto-limite dentro da autonomia que o movimento carrega.

Hamilton não nos deixa esquecer jamais de como o esporte se relaciona com a política e com a vida. Ele afeta economia, humor das pessoas, catalisa transformações sociais. Ele cria conceitos, e se torna exemplo.

E sempre foi assim. Sempre vale lembrar grande momentos em que o esporte lutou contra o absurdo, protegendo sua essência.

O papel transformador do esporte

O esporte sempre foi um catalisador de transformações sociais pelo mundo. Ele ajudou na luta contra o racismo, contra a discriminação aos mais pobres, até na abertura democrática brasileira durante os anos da ditadura.

Passadinha por alguns momentos históricos:

– em 1936, nas Olimpíadas de Berlim, Adolph Hitler usou os jogos como uma estratégia de propaganda do regime nazista, a do discurso da “supremacia ariana”. Mas ele não contava com o negro Jesse Owens que conquistou 4 medalhas de outro e foi o grande nome dos jogos na Alemanha. No pódio, Owens sequer olhou para o ditador, que deixou o estádio olímpico antes do fim da cerimônia.

– a história do Start FC também é fantástica. O time formado por jogadores ex-jogadores do Lokomotiv e do Dínamo de Kiev, muitos deles ex-prisioneiros na Segunda Guerra Mundial, começou a se destacar. Isso incomodou os nazistas. O time da Força Aérea Alemã desafiou o Start. Vencer poderia significar a morte. Eles sabiam disso. Mesmo assim, honraram a pátria, a dignidade e as chuteiras e venceram o jogo. Os jogadores foram presos e quatro deles foram assassinados.

– em 1968, os americanos Tommie Smith e John Carlos ganharam medalhas de ouro e bronze nos Jogos Olímpicos do México. No pódio, protestaram contra a discriminação racial nos EUA. Em silêncio, um gesto que foi sentido em todo o mundo. Eles subiram ao pódio e ergueram os punhos fechados com luvas pretas, a saudação dos Panteras Negras. Eles foram expulsos da Vila Olímpica.

– uma lenda do boxe também usou o esporte para se posicionar na defesa de causas sociais. Muhammad Ali se tornou um símbolo de luta contra o racismo. Em 1967, já campeão mundial de boxe, ele foi convocado para lutar no Vietnã. Ele se recusou, alegando que o confronto estava deixando de lado negros dentro dos EUA. Ele perdeu o cinturão, foi multado em 10 mil dólares e condenado a 5 anos de prisão. A Suprema Corte o absolveu, mas ele ficou proibido de lutar por 3 anos. Voltou aos ringues em 1970 e se tornou um mito do esporte.

 – um exemplo no Brasil, a democracia corintiana. Na década de 80 o Brasil ainda vivia sob ditadura militar. Foi nessa época que alguns atletas politizados do Corinthians decidiram criar um movimento político pela volta da democracia e maior participação dentro do clube. Com líderes como Sócrates, Wladimir e Casagrande, os jogadores passaram a fazer parte de discussões importantes, como contratações, premiações, concentração. Essa democracia interna se tornou um símbolo de luta pela democracia no Brasil, e muitos desses atletas participaram ativamente da campanha pelas Diretas Já em 1984.

Teria ainda a fantástica história do Rugby na África do Sul, que ajudou a unir um país fraturado pelo Apartheid ( que a gente contou aqui) . Ou a história de Colin Kaepernick na NFL, e tantas outras…

Nos últimos tempos, temos a defesa coletiva dos atletas e do esporte contra o preconceito. FIFA, COI e Ligas independentes já tiveram que ceder na análise de seus regulamentos internos e passaram a não punir atletas que levantam a bandeira política da defesa de Direitos Humanos.

Um dos protagonistas desse movimento esportivo e Lewis Hamilton. Herói inglês e, por que não, brasileiro.

Hamilton é dos grandes do esporte a mostrar que a força de um atleta vai muito além de uma pista ou quadra ou campo, e que eles podem ser agentes importantes na construção de uma sociedade melhor, menos excludente e mais humana. E o primeiro passo para atacar o problema é se posicionar.

Obrigado, Hamilton. Pelo que tem feito sempre e pelo que fez no domingo.

Crédito imagem: Buda Mendes/Getty Images

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.