Os riscos no esporte

Compliance é um programa que visa organizar, obedecer e aprimorar controles que darão um melhor funcionamento à instituição, tornando o negócio transparente, cumpridor das leis e preocupado em evitar riscos. E esse programa de gestão profissional também se aplica às entidades esportivas.

Um programa de integridade e conformidade, como o que o compliance oferece, infelizmente só passa a ser visto como investimento, e não custo, quando as grandes tragédias acontecem. Como em qualquer outra atividade, riscos fazem parte do negócio, pois não existem negócios sem risco, isso é uma utopia.

Em razão disso, todo programa de compliance deve ser iniciado por uma análise de riscos. Segundo a ISO 31000, “risco é toda incerteza de alcançar um objetivo”. Ou seja, toda e qualquer exposição do clube em sofrer penalidades jurídicas, fiscais, institucionais, perdas materiais ou riscos que atrapalhe ou impeça o seu bom funcionamento é considerado um risco.

Após serem apurados os riscos, sejam eles financeiros, jurídicos, ambientais, reputacionais, regulatórios, éticos, etc., é necessário mensurá-los. Esse processo de mensuração ajudará a identificar quais serão os riscos que demandam maior atenção e, por consequência, terão prioridade no plano de mitigação. Mas como? Simples, classificando-os em uma matriz de probabilidade e impacto.

A probabilidade de ocorrência do risco analisada em conjunto com o impacto que ela poderia causar nos negócios do clube ajudarão os gestores de riscos a traçar a estratégia de mitigação. Elas precisam ser avaliadas em conjunto, pois, mesmo que exista um risco com impactos muito alto ele não necessariamente será uma prioridade, pois a sua probabilidade de ocorrência pode ser baixíssima.

Na gestão de riscos, o processo de avaliação é importante para que não haja falhas em seus controles e, em especial, nas suas ações de mitigação. Por isso, o processo completo de avaliação contempla a fase de identificação e avaliação dos riscos, seguida da mensuração dos riscos, um plano de monitoramento. A partir disso, planos de mitigação e os relatórios de controle para atualização dos controles e início de novo ciclo.

Como já havia dito, não existem negócios sem riscos e, como esperado, ainda que você consiga controlar ou eliminar algum risco, a dinâmica do mercado fará com que sempre existam novas situações que precisarão de atenção. Riscos altos demandam mais atenção do que os riscos mais baixos, logo, a frequência desse monitoramento precisa ser maior.

A gestão de risco é, além de um dos principais pilares de um programa de integridade, um importante passo para que as novas gerações de bons gestores levem a sério o negócio Esporte e usem de todas as variáveis possíveis para controlar e gerenciar os clubes em que trabalham.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.