Popularidade do esporte eletrônico no Brasil

A popularidade dos eSports no Brasil: produto e meio de comunicação

Desde 2012 o esporte eletrônico cresce em ritmo acelerado no Brasil, mas ele já existe há muito mais tempo. Na Coreia do Sul, que é conhecida por ser o berço dos eSports, a modalidade esportiva já é culturalmente e economicamente relevante há mais de 20 anos. Em 2000 o país já contava com pasta ministerial própria e vários canais de televisão com programação toda virada para o esporte eletrônico.

Na verdade, nos anos 2000 o esporte eletrônico era uma realidade forte no Brasil – inclusive em 2006 o campeão mundial de Counter-Strike foi o clube brasileiro MiBR (Made in Brasil).

Mas qual a razão para a popularidade dos eSports caírem no meio da década passada e ressurgirem no meio desta? A resposta está nos meios de comunicação.

A transmissão esportiva no Brasil

Um ótimo paralelo a ser traçado é com o futebol e suas explosões de popularidade como um espetáculo. A primeira explosão de popularidade do futebol foi no final da década de 1910, quando jornais e revistas identificaram o interesse do público em acompanhar os vários clubes que iam surgindo pelo Brasil. A segunda se deu na década de 1930, quando o futebol atingiu os rádios e as narrações das partidas passaram a ser transmitidas ao vivo. A terceira, no final da década de 1950, com a chegada do futebol à televisão.

O padrão é óbvio: a popularidade de um esporte – e de qualquer entretenimento – é diretamente proporcional à qualidade e acessibilidade da transmissão de suas partidas ou provas.

O meio de comunicação dos eSports

A primeira explosão de popularidade dos esportes eletrônicos no Brasil veio com as lan houses, que, entre 1998 e 2008, eram o principal meio de acesso a computadores e internet. O formato de negócio das lan houses foi trazido da Coreia do Sul pela “Monkey Paulista”, primeira lan house brasileira, aberta em 1998.

Rapidamente o conceito se espalhou pelo Brasil inteiro, e esses estabelecimentos eram frequentados principalmente por jovens gamers. A própria comunidade começou a organizar competições e atraiu olhares de empresas que fomentaram o esporte eletrônico nessa época.

Em 2005, com o aumento do acesso a computadores e banda larga domésticos, as lan houses começaram a ser extintas, e com elas o esporte eletrônico foi perdendo popularidade. Sem um local onde jovens se reuniam para jogar, assistir e conversar sobre as competições; sem competições populares o suficiente para chegar à televisão; e sem infraestrutura de cabeamento de internet que permitisse transmitir e assistir a vídeos através de streaming, o esporte eletrônico no Brasil entrou em um sono profundo.

Quem acordou o eSport brasileiro novamente foram duas empresas: Riot Games e TwitchTV. A Riot Games, detentora do jogo League of Legends, criado para ser ótimo de assistir, trouxe ao Brasil, em 2012, a organização de competições profissionais e bem estruturadas. Tínhamos o produto. A TwitchTV, aliada ao avanço da infraestrutura de banda larga brasileira, ofereceu um site onde as transmissões ao vivo são possíveis. Tínhamos o meio de comunicação.

Com a união de um produto com potencial e um meio de comunicação capaz de atingir as massas que consumem esse conteúdo, estamos vivendo, desde 2012, a segunda explosão de popularidade do esporte eletrônico. Com a quantidade de novos produtos e investimentos no segmento, é bem provável que o esporte eletrônico fique bem acordado por muito tempo.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.