Procuradoria do STJD abre inquérito para apurar racismo contra Fellipe Bastos durante Atlético-GO x Goiás

Nesta quarta-feira (11), a Procuradoria do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) determinou a abertura de um inquérito para apurar a denúncia de racismo sofrida pelo volante Fellipe Bastos, do Goiás, durante a partida contra o Atlético-GO, no estádio Antônio Accioly, no último final de semana, pelo Brasileirão.

A Procuradoria do tribunal também pede esclarecimentos e informações ao Atlético-GO, além de determinar o envio de ofício para acompanhar o andamento do Boletim de Ocorrência feito pelo jogador.

O ato de injúria racial foi revelado por Fellipe Basto assim que a partida acabou. O jogador fez uma descrição do autor das ofensas e cobrou uma ação dos policiais e seguranças que estavam próximos do local. O volante disse estar “assustado” com o caso e ressaltou que é preciso “dar um basta nisso”.

“Aconteceu um ato racista. Eu estava saindo para o vestiário e um rapaz com óculos na cabeça me chamou de macaco. Eu voltei e falei para ele repetir. E ele falou: macaco. Me chamou duas vezes de macaco. No mundo em que a gente vive o ato racista nos deixa entristecido porque as pessoas que estavam ali do lado viram, as pessoas que estavam atrás de mim viram. O policial e os seguranças poderiam ter identificado o torcedor”, relatou.

“É recorrente. Já aconteceu em outros estádios, com outros jogadores, outras pessoas. Temos que dar um basta nisso, só quem sofre é que sente. Eu não queria que isso abafasse nossa primeira vitória no Campeonato Brasileiro, mas é importante falar. Estou assustado, pois é a primeira vez que acontece comigo. Eu pedi para ele repetir e ele repetiu”, acrescentou.

Diante da gravidade do episódio, que foi considerado como uma afronta ao artigo 243-G do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva), a Procuradoria do STJD determinou:

I – a abertura de inquérito, na forma do artigo 81 e seguintes do CBJD;

II – a manifestação da equipe mandante Atlético/GO, sobre os fatos relatados, requisitando o fornecimento das imagens do setor onde teria ocorrido o suposto ato discriminatório após o apito final, além da relação de seguranças que estavam responsáveis por aquele setor, ou indicação da empresa responsável pela segurança do estádio, tudo no prazo de 03 (três) dias;

III – a expedição de ofício ao Grupo Especializado no Atendimento às Vítimas de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (GEACRI) daquele Estado, para informar o número e o andamento do Boletim de Ocorrência registrado pelo ofendido, o atleta Fellipe Bastos, referente ao assunto;

IV – a produção de todos os meios de prova legalmente admitidos”.

Até o momento, o Atlético-GO não informou se identificou o torcedor autor da ofensa racista.

Crédito imagem: Goiás

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Nossa seleção de especialistas prepara você para o mercado de trabalho: pós-graduação CERS/Lei em Campo de Direito Desportivo. Inscreva-se!

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.