Quais são os dopings nos eSports

​Quando houve a polêmica envolvendo partida entre a MIBR e a Chaos, onde foi muito questionado se a Chaosnão havia sido beneficiada indevidamente pelo uso de softwares proibidos, exploramos aqui no eSport Legal de forma conceitual o Doping Tecnológico.

​Nesta semana serão exploradas algumas formas de doping dessa natureza.

Doping mecânico: equipamento com componentes adulterados e equipamentos proibidos

A diferença na qualidade do equipamento de um atleta para o outro pode causar uma vantagem indevida. A maior parte das competições oferece os equipamentos que serão utilizados ou estabelece quais os equipamentos que podem ser utilizados para que isso não ocorra. Quando a competição é presencial, a própria organização oferece o computador, console e monitor.

Já os periféricos (controle, mouse, teclado, fone, etc) normalmente são os atletas que levam para o local da competição e por isso há, em geral, no regulamento da competição dizendo quais modelos desses equipamentos podem ser utilizados.

São especialmente proibidos, os controles, mouses e teclados que possuem capacidade de armazenar e executar macros sem depender do computador onde serão conectados para fazer isso.

Macro é uma sequência de ações e existem alguns equipamentos que permitem que um macro seja gravado e executado utilizando software e poder computacional autônomo. O abuso de macros para realizar uma sequência de cliques em velocidade e/ou precisão sobre humana, por exemplo, garante vantagem indevida no eSport.

Alteração do desempenho vinculada a softwares

O avanço da tecnologia e a prática do desporto com meio diferente do usual faz com que o operador do direito desportivo tenha que determinar, com auxílio de especialistas das respectivas ciências, a natureza de certos institutos que até então não existiam nessa esfera jurídica.

Um exemplo é a natureza dos softwares para, caso ofereçam vantagem ou desvantagem no desempenho, sejam classificados como doping mecânico ou um novo tipo de doping. O questionamento central é se eles fazem parte do equipamento por estarem gravados em seus discos rígidos ou na memória de acesso aleatório ou se são um objeto autônomo.

Uso de software malicioso

Um software malicioso é capaz de trazer vantagem ou desvantagem indevida ao atleta que estiver utilizando o computador adulterado.

Existem software capazes de garantir ao atleta visão através de paredes; sempre acertar tiros e/ou habilidades no oponente; sempre esquivar dos tiros e/ou habilidades do oponente; realizar ações automaticamente; e outras vantagens indevidas.

Ao mesmo tempo o software malicioso pode atrapalhar o atleta, causando mal funcionamento proposital no equipamento utilizado, por exemplo.

Abuso de bug no software do jogo

Um bug no software do jogo é um erro no código do software que faz com que ele não se comporte da forma que deveria.

Podem existir bugs que permitam, por exemplo, que o atleta se locomova mais rápido dentro do jogo ao executar uma sequência específica de ações ou atravessar uma parede se clicar em um determinado pixel.

O abuso do bug de maneira intencional trará vantagem indevida ao atleta.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.