Que momento para o futebol feminino!

Que momento fantástico vive o futebol feminino! Muitos canais de televisão, do Brasil e do mundo, transmitirão o Mundial de futebol feminino que começa amanhã.

Nunca se falou tanto sobre o futebol feminino. Mas será mesmo?

Nesta semana a BBC publicou uma reportagem sobre uma partida da seleção inglesa de futebol feminino (as leoas, “lionesses”, como são chamadas) contra o México, em agosto de 1971, pelo Mundial de futebol. Estádio Azteca lotado, com cerca de 90 mil torcedores. Clima e número de torcedores completamente diferentes do que as leoas estavam acostumadas naquela época. Havia pouco tempo desde a liberação da proibição da prática do esporte por mulheres, proibição essa que durou cerca de 50 anos. Assim, na Inglaterra, naquela época, as atletas jogavam em parques para uma plateia muito pequena.

No México, as leoas precisaram de escolta da polícia para que seu ônibus pudesse chegar ao estádio. Status de celebridade.

Contra as donas da casa, pela segunda partida da competição (sendo que a primeira partida havia acontecido menos de 24 horas antes), o plantel das leoas contava com várias adolescentes. Algumas nunca tinham viajado para o exterior.  A capitã das leoas jogou com um osso do pé fraturado. Como se já não bastassem os desafios da competição, imaginem a pressão de ter de voltar para casa e “enfrentar” os desafios que o futebol feminino na Inglaterra vivenciava.

As leoas perderam o jogo por 3 a 2. Mas, como dizia uma cartolina de um torcedor mexicano na porta do hotel das leoas: Inglaterra, você perdeu o jogo, mas ganhou o coração do México! Claramente o resultado do jogo não foi o mais importante.

A FIFA reconhece que o primeiro Mundial oficial aconteceu na China, em 1991. Que pena!

Há muito escopo para a melhor profissionalização e equidade no futebol feminino. Em todo o mundo. Há países, como Argentina e Uruguai, onde jogadoras de futebol feminino nem sequer recebem salário (ou passaram a receber muito recentemente). Há questões controversas ainda a serem estabelecidas, tais como direitos trabalhistas (sobretudo quanto à gravidez de atletas), equiparação de salário e prêmios, apoio de torcida, dirigentes e imprensa (apesar do recente interesse de alguns canais). Esperamos que isso aconteça muito em breve.

Enquanto isso, torcemos para a nossa Seleção. Que façam um bom Mundial! Que honrem a camisa canarinho!

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.