Saídas de emergência

Foi sancionada recentemente a lei 14.073/20, que alterou a Lei Geral sobre desportos, apregoada por aumentar o grau de responsabilização dos administradores das entidades desportivas. É bom ler as mudanças com calma, antes de dizer isso por aí a torto e a direito.

Uma das principais inovações foi a responsabilização dos novos dirigentes, caso acobertem os ilícitos praticados pelos seus antecessores. Na forma do parágrafo terceiro do art. 18-B, “O dirigente será responsabilizado solidariamente quando tiver conhecimento do não cumprimento dos deveres estatutários ou contratuais por seu antecessor ou pelo administrador competente e não comunicar o fato ao órgão estatutário competente.”

Entretanto, o dispositivo é extremamente falho e pode levar a nada. O que seria “não cumprimento dos deveres contratuais” pelo dirigente anterior? Deixar de pagar os salários dos atletas? Demitir um treinador e não pagar as verbas rescisórias? E se não havia dinheiro para pagar?

Há muitas possibilidades de descumprimento e se a regra for seguida ao pé da letra, todos os atos da gestão antecedente terão de ser analisados pelo órgão estatutário competente, o que torna a sua observância absolutamente impraticável.

Quanto mais imprecisa e genérica for a norma, maior a chance de que ela seja descumprida. Se o objetivo foi o de fechar o cerco aos dirigentes, este foi mais um tiro na água.

O grau de imprecisão da regra pode também ser um meio de cometimento de injustiças e de “caça às bruxas” aos dirigentes. Para evitar tudo isso, bastaria que a norma dissesse que os atos comunicáveis seriam os de “gestão temerária”.

Essa previsão faria todo o sentido porque é deste assunto que trata o parágrafo primeiro do art. 18-B e o próprio 18-C, que inclusive enumera quais são os atos de gestão temerária. Ela guardaria também coerência com o art. 18-D que igualmente foi introduzido na reforma legislativa e disciplina a responsabilização dos administradores por gestão temerária. Tudo isto facilitaria as coisas e daria maior segurança jurídica a todos, tanto à gestão antiga quanto à posterior.

Por falar no art. 18-D, ele diz no seu parágrafo segundo que “A assembleia geral poderá ser convocada por 30% (trinta por cento) dos associados com direito a voto para deliberar sobre a instauração de procedimento de apuração de responsabilidade dos dirigentes, caso, após 3 (três) meses da ciência do ato considerado de gestão irregular ou temerária”, caso “I – não tenha sido instaurado o procedimento de apuração de responsabilidade; ou II – não tenha sido convocada assembleia geral para deliberar sobre os procedimentos internos de apuração de responsabilidade.”

O dispositivo que aparentemente figura como norma salutar, a prestigiar a iniciativa dos associados para que se apurem irregularidades na gestão das entidades desportivas, é a rigor, um retrocesso.

Com efeito, o art. 60 do Código Civil diz que “A convocação dos órgãos deliberativos far-se-á na forma do estatuto, garantido a 1/5 (um quinto) dos associados o direito de promovê-la”, ou seja, vinte por cento dos associados possuem o direito de convocarem assembleias gerais extraordinárias para deliberarem sobre qualquer tema específico.

Como a regra especial deve prevalecer sobre a regra geral, o Código Civil deixará de ser aplicado neste aspecto, o que representa dizer que a mudança legal, ao invés de contribuir para a participação associativa, está mesmo é dificultando a iniciativa dos sócios, porque aumenta o percentual necessário para que se convoque uma assembleia.

Mais curioso ainda é o parágrafo primeiro do art. 18-C, que diz que “EM QUALQUER HIPÓTESE, O DIRIGENTE NÃO SERÁ RESPONSABILIZADO QUANDO: I – não tiver agido com culpa grave ou dolo; ou II – comprovar que agiu de boa-fé e que as medidas realizadas visavam a evitar prejuízo maior à entidade.

Quanto ao inciso I, é bom sublinhar que esta previsão foge novamente à regra do nosso Direito Civil, uma vez que, diferentemente do Direito Penal, em que a culpa é levada em conta para a estipulação da sanção, no âmbito civilista o que importa é a extensão do dano causado para a fixação da obrigação de indenizar.

Como se não bastasse, o inciso II dá uma espécie de salvo-conduto, que praticamente joga por terra quase tudo o que se criou para se responsabilizar os maus dirigentes.

Com efeito, ao dizer que o dirigente não será responsabilizado quando comprovar que agiu de boa-fé, ele permite que o gestor, mesmo que tenha agido com culpa gravíssima, será necessariamente inocentado. Em nenhuma outra espécie de associação existe esse tipo de benevolência legal com o administrador. Só no esporte.

Viram só? O gestor incompetente não corre tanto perigo assim com as mudanças na Lei Pelé.

À primeira vista as regras podem até assustar.

Basta, porém, ler com atenção as alterações.

Porque elas mostram direitinho onde ficam as saídas de emergência.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.