Todo mundo pede, mas ninguém faz. Compliance

A Confederação Sul-Americana de Futebol esteve no centro da discussão esportiva nos últimos dias. Seria natural, uma vez que vivemos a fase final da Libertadores da América. Mas a entidade esteve envolvida em uma outra conversa, que saiu das quatro linhas e entrou no campo da ética. Por conta de uma decisão do Tribunal da entidade, ela foi duramente questionada e criticada. Imagem seriamente arranhada. Pedido de compliance de torcedores, dirigentes de clube, imprensa. Todos pedem transparência à Conmebol, mas ninguém pratica de fato na própria gestão.

Primeiro aqui, é importante explicar o caso. O técnico do River Plate estava suspenso do segundo jogo contra o Grêmio pela semifinal da Libertadores. Num ato de afronta à entidade e à decisão da Justiça esportiva, mesmo proibido, passou orientações ao time durante a partida, via dispositivo eletrônico, e desceu até o vestiário do River no intervalo, para conversar com os atletas. O time estava perdendo o jogo por um a zero. No segundo tempo, virou e venceu por dois a um. O time argentino se classificou para a final, e a participação do técnico foi decisiva, de acordo com os jogadores.

Pois bem, o Grêmio apresentou denúncia contra Marcelo Gallardo e, junto, pediu a eliminação do River. Tudo dentro do prazo de 24 horas do fim da partida, como manda o regulamento da Conmebol. Depois de uma longa espera, o Tribunal decidiu punir Gallardo com 3 partidas de suspensão, sendo que, em uma delas, não poderá ir ao estádio, e multa de 50 mil dólares, entretanto, não acolheu os argumentos da equipe brasileira quanto à anulação da partida e definição do placar por 3 x 0 para o Grêmio. O River Plate não perdeu os pontos e acabou confirmado na final da competição.

Não vamos entrar na questão jurídica da decisão, assunto importante e que vai ser abordado pelos especialistas do #LeiemCampo oportunamente, mas vamos falar da repercussão indignada que a decisão causou.

A #useoregulamento, uma crítica da torcida do Grêmio à Conmebol, virou trending topics mundial. A imprensa internacional também bateu na entidade. Milhares de mensagens virtuais atingiram os patrocinadores… No centro de tudo, um pedido de transparência nas decisões da entidade, aprimoramentos nas suas normas disciplinares e o devido rigor na aplicação delas, ou seja, compliance.

Resumidamente, compliance é um programa de conformidade que uma instituição, preocupada com o cumprimento de lei, normas e, principalmente, com a transparência e ética, se propõe a seguir.

Sua origem foi nos Estados Unidos, após escândalos de corrupção que tomaram proporções gigantescas. O governo norte-americano, com a finalidade de punir executivos e empresas corruptas e antiéticas, criou normas legais para exigir conformidades com as legislações, condutas éticas de mercado e transparência com todos os envolvidos.

Voltando ao caso Conmebol, quando se pede compliance à instituição, é um clamor dos torcedores para que haja mais ética e fair play fora de campo, atingindo todos os envolvidos no esporte.

Se houvesse alguma legislação de conformidade, como o compliance, no esporte, as instituições e clubes seriam punidos objetivamente, ou seja, não cabendo discussão sobre se o clube sabia ou não ou se foi beneficiado ou não pela conduta aética ou corrupta.

O mundo do esporte está em constante aprimoramento. Pessoas mais preparadas e com visão mais empresarial e gerencial têm assumido os cargos que podem fazer a diferença para o esporte. Além disso, as informações e satisfações para os sócios e torcedores estão cada vez mais rápidas. Programas de conformidades, como já mencionado, são as mudanças que todos bem-intencionados querem.

Quando o exemplo não vem tone from the top, de cima para baixo, mais valorizados ficam os clubes e demais instituições que estão com as suas gestões à frente nesses quesitos.

O fundamental nessa nossa primeira conversa é deixar claro qual foi o recado de uma das grandes polêmicas da gestão esportiva dos últimos tempos: o julgamento do Grêmio trouxe à discussão dois assuntos importantes que precisam mesmo ser debatidos: a necessidade de mudar o regulamento da Conmebol e a urgência de as entidades esportivas aplicarem compliance. Conmebol, CBF, federações e clubes.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.