Uma proposta inovadora?

Que tal se os futebolistas das categorias de base dos clubes da primeira divisão fossem emprestados aos times da terceira e quarta divisão por salários que cabem no orçamento dos times das divisões mais baixas?

Essa foi a proposta apresentada pelo presidente (e dono) do Peterborough United, clube da terceira divisão do futebol inglês, o irlandês Darragh MacAnthony, às ligas do futebol inglês.

MacAnthony, que está à frente do Peterborough há 12 anos, critica a dificuldade de clubes das divisões mais baixas contratarem jogadores das categorias de base dos clubes da Premier League, devido aos altos salários. Em entrevista à BBC, MacAnthony contou que, no último verão, seu clube tentou contratar jogadores das bases de clubes da Premier League cujos salários giravam em torno de £5.000 por semana. Somando-se a hospedagem desses atletas, o custo seria de cerca de £6.000 por semana para contratar um atleta de 19 anos oriundo da primeira divisão.

A crítica de MacAnthony sobre a situação atual é relevante. Por que pagar tudo isso por um atleta da base sendo que seu clube estará contribuindo para a formação do jogador (em benefício do clube da Premier League)?

MacAnthony sugere ainda que a liga inglesa se espelhe no sistema de draft da NFL, a liga de futebol americano, para a distribuição justa de atletas da base dos clubes da primeira divisão. O sistema funcionaria da seguinte forma:

1. Cada um dos 20 clubes da Premier League elegeria cinco atletas da sua base para participar desse sistema todo ano. Portanto, 100 jogadores entrariam no draft todo ano;
2. Cada um dos 48 times da terceira e quarta divisão escolheriam dois jogadores do draft para comporem seus plantéis por contrato de empréstimo por uma temporada; e
3. Para deixar as equipes mais competitivas, os clubes com as piores colocações em suas divisões seriam os primeiros a escolher os atletas do draft.

Para completar a proposta, MacAnthony sugere ainda que esse sistema, o draft, seja feito por meio de um evento transmitido pela televisão (um reality show) durante o qual os atletas ficariam nos vestiários de um estádio e, conforme os apresentadores do programa os fossem chamando, conheceriam em primeira mão as equipes pelas quais jogariam pela temporada seguinte.

Na era de fair play financeiro, será que o draft também não ajudaria? Será que funcionaria também para deixar o futebol mais competitivo e democrático?

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.