Viva 2020, o ano em que a gestão criminosa no esporte foi combatida

Ainda me surpreendo com o futebol brasileiro. Clubes endividados e pedindo socorro em PLs irresponsáveis e contratando sem ter dinheiro para pagar os atletas que já estão no clube. Como agravante, da já séria situação, é que eles sequer enxergam os sinais que o futebol tem dado em 2020. Isso custará caro. Ex-dirigentes de Cruzeiro e Internacional aprenderam da pior maneira.

Primeiro foram os ex-dirigentes do Internacional, depois os do Cruzeiro. Todos eles denunciados em 2020 pelo Ministério Público por crimes como gestão temerária, apropriação indébita, falsidade ideológica e formação de organização criminosa. Muitos insistem em não enxergar, mas o Estado está começando a aplicar a lei. E, melhor ainda, as entidades esportivas também estão se organizando para punir o gestor que não entende o papel que tem.

A verdade é: a vida do gestor irresponsável e/ou criminoso está se tornando muito mais difícil. Não só porque o esporte esta se autorregulando, mas porque o Estado decidiu agir. E com a ajuda dos próprios clubes.

O caso do Cruzeiro

O Ministério Público de Minas Gerais denunciou quinta-feira passada (15) três ex-dirigentes do Cruzeiro (Itair Machado, Wagner Pires de Sá e Sérgio Nonato) e mais seis pessoas (um ex-assessor de futebol do clube, três empresários, o ex-presidente do Ipatinga Futebol Clube e o pai de um atleta das categorias de base do Cruzeiro). O motivo para a denúncia são diferentes crimes praticados pelos citados, tais como, lavagem de dinheiro, apropriação indébita, falsidade ideológica e formação de organização criminosa.

O MPMG calcula que o prejuízo causado pelos crimes lesaram o Cruzeiro em cerca de R$ 6,5 milhões. Na denúncia apresentada pela 11ª Promotoria de Justiça de Belo Horizonte, o órgão também pede que seja fixada indenização ao clube mineiro, a título de dano moral coletivo, dano à imagem, com o pagamento de 100% do valor do prejuízo apurado, no caso, de R$ 6,5 milhões. Ou seja, a pena dobra de valor.

O pedido de dano moral se baseia na Lei Pelé, que diz que organização esportiva integra patrimônio cultural da nação. Portanto, o Estado (MP) estaria protegendo direito difuso da sociedade em torno dos clubes.

Ou seja, os ex-dirigentes irão responder a um processo se houver punições, em todos esses crimes citados na denúncia, as penas poderiam chegar a 15 anos de reclusão.

Ex- dirigentes do Internacional também vivem situação parecida.

O caso do Internacional

O caso do Internacional mostra que, apesar dos políticos insistirem em não voltar a discutir o PL 68/17 que está no Senado e tipifica o crime de corrupção privada no país, existem caminhos legais para investigar, julgar e condenar administradores que roubam instituições esportivas.

O caso talvez seja o mais profundo de uma investigação pública em um clube do futebol brasileiro. As denúncias contra os ex-dirigentes do clube foram oferecidas pelo Ministério Público.

Uma delas fala em organização criminosa que “agia contra o patrimônio do clube gaúcho”. O documento contém mais de 200 fatos e casos de estelionato, lavagem de dinheiro e falsidade de documentos, listados um a um. As investigações do MP revelaram ainda que Vitorio Piffero, ex-presidente do Inter, Pedro Affatato, Emídio Ferreira e Carlos Eduardo Marques, ex-dirigentes, além de Ricardo Simões e Adão de Fraga Feijó, empresários da construção civil e contabilidade, teriam lucrado R$ 12,8 milhões.

Isso já se leu, mas um ponto importante que quero destacar aqui é: foi a direção colorada que começou o processo de investigação, criando uma auditoria do Conselho Deliberativo, que analisou balancetes, notas, julgou, e condenou a antiga direção. Depois disso, entregou os dados ao MP gaúcho, fazendo com que a Operação Rebote se tornasse tão relevante.

A Lei Pelé estabelece no art 27, §11, que os administradores de entidades desportivas profissionais respondem solidária e ilimitadamente pelos atos de gestão temerária, assim considerados aqueles de administração que põem em risco o patrimônio e a higidez financeira da agremiação.

Mas, importante também: a Lei 13.155/15, no art 24, § 3º, determina que o novo mandatário que se mantiver inerte na apuração, passa a responder solidariamente com os dirigentes anteriores.

O Estado agindo, mas o esporte também está se protegendo. A autorregulação é um caminho sem volta, e ela vai ajudar nessa transformação necessária para a profissionalização da gestão. Aliás, já está ajudando.

A autorregulação do esporte

O Cruzeiro foi punido na FIFA com perda de pontos por falta de pagamento. Gigantes da Europa, como Milan e Manchester City também foram punidos por desrespeitarem regras financeiras do movimento esportivo.

E por que eles foram sido punidos?

Primeiro, pela necessidade básica de garantir a estabilidade dos contratos, a segurança jurídica. No Direito chamado de “pacta sunt servanda”, a força obrigatória dos acordos.

Segundo, para proteger um dos princípios mais caros ao esporte, a paridade de armas, o equilíbrio entre os participantes.

É o esporte se protegendo.

O esporte se alicerça na sua autonomia.

Ele cria as próprias regras de funcionamento e participação. Não concorda, não participe da cadeia associativa do movimento. Daí a necessária autorregulação para obrigar entidades esportivas a trabalharem de acordo com a integridade.

Quando o movimento esportivo esquece direitos e deixa de proteger a cadeia associativa essa autonima perde força e o Estado encontra espaços para agir. Por isso, a autorregulação se torna cada vez mais indispensável.

O fair play financeiro é um exemplo dessa autorregulação. O Licenciamento de Clubes da Fifa, outro. Dois regulamentos jurídicos desportivos que buscam dar credibilidade, integridade, transparência desportiva e financeira. Eles já estão ajudando na profissionalização da gestão esportiva, e tentando preservar um necessário equilíbrio esportivo.

Assim como a FIFA e a Conmebol, a CBF também adotou o Licenciamento de Clubes e esta para entrar em vigor o Fair Play Financeiro da entidade.

O CNRD também é uma esperança.

O fato é que esse caminho que o esporte está tomando – inserindo regras que auxiliam na gestão responsável e no combate aos absurdos do negócio – transformará não só a administração esportiva, mas também o próprio direito.

No futebol não há mais espaço para amadores, irresponsáveis e/ou criminosos. O campo já tem mostrado isso.

Em 2020, a Justiça começou a cobrar.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.