A metamorfose Botafogo?!

A Ernest Young e o escritório Trengrouse Advogados foram contratados pelos irmãos Moreira Salles para estudar e apresentar aos dirigentes do Botafogo um plano para ajustar as contas do clube e tornar a Associação Botafogo uma S/A.

A pesquisa realizada demonstra o interesse da dupla no clube-empresa, mas isso não significa, necessariamente, que eles participarão dessa nova fase, caso implementada. O investimento na possível S/A carece de outros fatores para ser um bom negócio.

Os clubes podem se tornar empresa, no Brasil, desde 1993, com a Lei 8.672, também conhecida como Lei Zico, que facultou às entidades de prática esportiva essa mudança. Caso queira saber mais sobre clubes-empresa, no Brasil e na Europa, leia o artigo Clube-Empresa no Brasil.

Mesmo com as dívidas do clube ultrapassando a barreira dos R$ 700 milhões, a transformação de uma associação sem fins lucrativos para uma sociedade anônima (quando os lucros são divididos entre os acionistas) é ideia para dar uma reviravolta na entidade. Atrelar a paixão dos torcedores à possibilidade de cada um ser dono de uma fração do clube é aumentar a capacidade de receita.

A mudança da natureza jurídica da empresa exige que toda administração comece a se preocupar com os objetivos não só do clube, mas também de todos os seus stakeholders, ou seja, todos os seus parceiros, acionistas, torcida, empregados, etc., e isso só funciona quando se tem transparência e compromisso ético.

Muito comum no mundo corporativo e cada vez mais indispensável nos dias de hoje, o compliance vem, aos poucos, entrando nas instituições esportivas – e certamente não sairá mais.

O compromisso que administrações corporativas precisam ter com as leis, regras internas e questões éticas ainda é novidade na maioria das instituições que administram e praticam o esporte, pois nunca se exigiu nada dos antigos “cartolas”.

Recente artigo publicado pelo portal Lei em Campo escrito pela jornalista Ivana Negrão e que teve participação da Dra. Débora Ferrareze e do Dr. Wladimyr Camargos é ótima leitura que aborda como transformar os grandes clubes associativos em empresas. A vantagem de explorar o capital aberto, tendo em vista que ações são mais lucrativas que isenções tributárias.

Outro ponto em questão é a direção de empresas que investem em compliance. O comprometimento com a transparência é exigência legal e contábil em uma S/A. Nesse formato, o clube-empresa estará muito mais propenso a receber patrocínios e recursos que os demais.

Quando investidores aplicam recursos em empresas em conformidade, sabem que serão tratados com transparência, menor exposição aos riscos financeiros e/ou reputacionais e tranquilidade de que os seus investimentos não estão sendo desviados ou mal aplicados.

A decisão da transformação do clube da estrela solitária está nas mãos dos seus dirigentes. A mudança é uma alternativa não apenas porque o clube não consegue mais assumir as suas contas, mas também para que o Botafogo e todas as suas glórias prosperem na elite do futebol nacional.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.