Como os clubes podem usar a LGPD para gerar renda

Eu já utilizei o meu espaço aqui no Lei em Campo para falar sobre a Lei Geral de Proteção de Dados em três oportunidades: em duas delas, aqui e aqui, me ative aos pontos gerais sobre como a LGPD é aplicável ao futebol. Finalmente, neste aqui eu falei sobre os perigos de uma sanção de publicização do incidente de dados (o dano reputacional).

Hoje retomo o tema da LGPD para falar sobre algo muito mais agradável do que sanções: geração de renda. Vamos ver a LGPD sob um outro prisma: o da oportunidade. Cumprir a LGPD pode ser extremamente positivo para os clubes.

E quando eu falo dessa “dupla faceta” da LGPD, eu não estou reinventando a roda. Em geral, as normas de proteção de dados, não só a LGPD, têm a dupla função de buscar a garantia da privacidade e de outros direitos fundamentais e também fomentar o desenvolvimento econômico.

Mas, afinal, como a LGPD pode contribuir para o desenvolvimento econômico e ser muito mais do que um emaranhado de obrigações?

Arrumando a casa e encontrando o petróleo escondido

Uma adequação à LGPD exige organização: cada dado pessoal coletado precisa de uma finalidade, de uma base legal que sustente essa coleta, de uma forma adequada de armazena-lo, de uma razão específica para tal armazenamento, dentre muitos outros.

É nesse momento que surge a primeira oportunidade: a revisão dos processos obsoletos.

Para o bem ou para o mal, o ser humano é capaz de acostumar-se com tudo. E, no processo de acostumar-nos, passamos a não questionar o porquê de certas coisas. Isso é muito comum quando lidamos com sistemas produtivos “fordistas”; há uma cadeia de produção na qual as pessoas simplesmente executam tarefas, sem haver uma reflexão sobre o todo.

Com o passar do tempo, essa cadeia de produção pode ficar obsoleta. Isso pode resultar, por exemplo, numa coleta excessiva e consequentemente desnecessária de dados pessoais. “Por que fazemos isso no clube? Porque sempre foi assim”.

A fase de mapeamento de dados pessoais é uma excelente forma de refletir sobre processos antigos; o mapeamento permite identificar diversas informações extremamente relevantes no processo de adequação à LGPD, tais como a identificação da categoria dos titulares dos dados pessoais, a identificação do tipo de dados pessoais coletados, a identificação da forma e da duração da armazenagem de dados pessoais, um eventual compartilhamento de dados com terceiros para fins de cumprimento do objeto do contrato, realizar uma análise de documentos essenciais ao projeto, a identificação do fluxo dos dados pessoais, e, finalmente, elaborar um Relatório de Atividade de Processamento (ROPA – sigla em inglês para Record of Processing Activities).

Veja a quantidade de informações que que podem ser estruturadas sobre o “caminho” do dado pessoal dentro do clube.

Mas aí que vem o “pulo do gato”: é preciso ir além de conhecer os dados que o cluibe tem; deve-se convertê-los em informação útil.

Você certamente já ouviu falar que “dados são o novo petróleo”, certo? É um clichê, mas há motivos fortes para que clichês sejam assim alcunhados. Em 2017, ficou famosa a capa da revista britânica The Economist com a mensagem de que o recurso mais valioso do mundo não era mais o petróleo, mas, sim, os dados. A revista ilustrava as grandes empresas de tecnologia como as estações petrolíferas que extrairiam riqueza desse novo ativo.

Os clubes têm uma quantidade imensa de petróleo nas mãos e a LGPD pode ajuda-los a utilizar esse recurso tão precioso; trabalhar com uma base de dados regular e gerar renda com ela. Utilizar a base de dados pessoais em conformidade com a LGPD para gerar inteligência que agregue valor ao clube.

Uma das estratégias para a utilização dos dados para gerar renda é a anonimização.

O clube pode fazer uso de dados pessoais para gerar um tipo de inteligência, do qual não precise, necessariamente, de dados que identifiquem uma pessoa; é possível fazer uso dados anonimizados para conhecer melhor o perfil do torcedor, por exemplo.

É possível fazer a eliminação de dados que permitam a identificação individual do torcedor e manter dados que permitam saber mais sobre um grupo.

É a chamada privacidade diferencial: uma ciência estatística que busca saber o máximo possível sobre um determinado grupo sabendo o mínimo possível sobre um indivíduo específico.

O uso regular, legal, de uma base de dados pode permitir uma interação muito maior e muito mais efetiva com o torcedor.

Além disso, colocar ordem na casa pode trazer insights para se repensar o modelo de negócio e para lançar novos produtos e serviços. A área de inovação dos clubes certamente ficará grata!

Há um exemplo interessante sobre a criação de novas receitas e o uso de dados pessoais para oferecer novos produtos aos clientes, sobre o qual o Lei em Campo já falou: o Galo Ads

O Galo Ads foi lançado pelo Atlético Mineiro em agosto de 2021. Trata-se de uma plataforma que permite a veiculação de anúncios e campanhas nos canais oficiais do clube em troca de receitas. O Atlético Mineiro é o primeiro do futebol brasileiro a explorar e utilizar sua base de dados para gerar negócios.

De acordo com o Atlético Mineiro, o diferencial do Galo Ads, em comparação ao Facebook AdsGoogle Ads e Uol Ads, é a possibilidade de personalizar conteúdos “oferecendo ao torcedor exatamente aquilo que ele deseja”.

Ora, o Clube Atlético Mineiro só consegue “oferecer ao torcedor exatamente aquilo que ele deseja” porque o conhece, ou seja, porque coletou dados de seus torcedores ao longo dos anos e os converteu em uma informação útil e rentável.

É uma fonte de receita nova para o clube, que parece estar rendendo frutos. Em notícia vinculada no portal GloboEsporte.com[1], afirma-se que o Galo Ads gerou R$1.000.000,00 para os cofres do clube em menos de dois meses.

Melhorando a reputação

Uma outra forma de contar com a LGPD para alavancar o desenvolvimento econômico é entender que a adequação à lei pode melhorar (e muito!) a reputação do clube.

Um dos pilares da LGPD é a transparência. Com o avanço tecnológico fica cada vez mais difícil fazer parte da vida em sociedade sem fornecer dados pessoais. E, já que parece ser inevitável, o cidadão certamente tenderá a procurar consumir produtos e serviços de empresas que são transparentes quanto ao uso dos dados pessoais.

Uma empresa adequada à LGPD pode explorar o fato de que realiza o tratamento correto dos dados pessoais no plano de comunicação para reforçar a confiança do titular dos dados pessoais.

Mas a questão da reputação vai além da transparência para com o cidadão; ela é importante também nos negócios com outras empresas.

A LGPD prevê solidariedade entre controlador e operador. Ou seja, há a possibilidade de o titular acionar quaisquer uma das partes para obter a indenização devida.

Assim, deve-se realizar uma extensa e cuidadosa diligência ao contratar fornecedores e prestadores de serviço já que uma empresa em desconformidade com a LGPD pode causar riscos àquela em conformidade.

É por isso que a questão da reputação é importante também perante a outras empresas.

Segurança da informação

A LGPD também fomenta o desenvolvimento econômico quando exige que os clubes adotem medidas de segurança, técnicas e administrativas aptas a proteger os dados pessoais de acessos não autorizados e de situações acidentais ou ilícitas de destruição, perda, alteração, comunicação ou qualquer forma de tratamento inadequado ou ilícito.

A exigência legal relacionada à segurança não se limita à prevenção de um eventual incidente de dados pessoais, mas também se refere à uma remediação de tal incidente de forma mais eficiente caso ele ocorra.

São medidas que devem ser tomadas, portanto, não somente para fins de adequação à lei, mas para fins de proteção aos ativos do clube.

O prejuízo decorrente de crimes cibernéticos no ano de 2020 chegou a 3 trilhões de dólares.

IBM realiza anualmente um estudo detalhado sobre os custos de um incidente com dados pessoais. No relatório de 2021, o mais recente deles, foram coletados dados por meio de entrevistas com pessoas de 537 organizações em 17 países diferentes e em 17 tipos de indústrias (saúde, educação, transporte, comunicação, entretenimento, entre outras) que sofreram algum tipo de incidente com dados pessoais entre maio de 2020 e março de 2021.

Para calcular o custo médio de um incidente com dados pessoais, foram coletados dados das despesas diretas e indiretas que as organizações tiveram com o incidente.

Despesas diretas incluem a contratação de especialistas para lidar com o incidente. Já as despesas indiretas incluem, principalmente, a perda de clientes, tanto aqueles que já eram clientes quanto aqueles clientes em potencial. Há também despesas com investigação interna, comunicação interna etc.

O relatório dá conta de que o custo médio de uma violação de dados pessoais é de US$ 4.24 milhões

Adequar-se à LGPD, portanto, adotando medidas de segurança da informação pode significar uma economia imensa.

Conclusão

Não é possível controlar boa parte dos acontecimentos da vida; o que é possível controlar é a forma como nós reagimos a tais acontecimentos.

A LGPD é um acontecimento que não podemos controlar. Ela foi publicada, está em vigor e é preciso cumpri-la. Mas podemos controlar como reagiremos à LGPD e, a intenção desse artigo foi demonstrar que é possível encarar a lei de uma forma positiva.

A LGPD pode significar uma excelente oportunidade para os clubes!

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo


Referências

Artigo adaptado do original disponível em  https://lageportilhojardim.com.br/blog/monetizacao-de-dados-lgpd/

[1] https://ge.globo.com/negocios-do-esporte/noticia/galo-ads-geram-r-1-milhao-em-menos-de-dois-meses-e-atletico-mg-aposta-no-medio-e-longo-prazo.ghtml

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.